quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Julho 2010


Como sempre, faço uma coletânea todo mês, misturando lançamentos com descobertas pessoais, coisas antigas e coisas novas, faixas de trilhas sonoras e de projetos especiais etc. Uma salada mista bem eclética? Sim! Mas que me dá muito prazer ao ouvir. Por isso compartilho com vocês!

1. ESTRELINHA E CONCHINHA - Cláudio Jorge - Os trabalhos são abertos com este lindo samba, de acento africano, saudando os orixás. O coral de crianças ameniza tudo e o contraste entre os tons menor e maior são perfeitos na capacidade de emocionar.

2. CABÔ, MEU PAI - Moacyr Luz - Admiro demais as composições e as interpretações de Moacyr. O samba que ele faz é sempre assim, meio diferente do que se está acostumado a ouvir e, ao mesmo tempo, muito familiar aos ouvidos. Bom demais!

3. AGUENTA A MÃO, JOÃO - Virgínia Rosa - E o que dizer de um Adoniran especialmente inspirado gravado por uma ótima cantora, com um arranjo certeiro? Impossível não gostar! E as imagens que o "poeta do Bixiga" cria são formidáveis!

4. ZAMBIAPUNGO - Roberta Sá - A melhor cantora da nova geração está cantando como nunca! E, quando se envolve no repertório sempre brilhante de Roque Ferreira (fonte que parece não parar de jorrar), o resultado é deslumbrante! Que melodia!

5. O RELÓGIO LÁ DE CASA - Marcos Sacramento e Soraya Ravenle - O humor da letra ficam em segundo plano. Porque Marcos, aqui, toma conta de tudo, põe todo o resto apra escanteio e mostra o gigantesco cantor que é!

6. RAPAZ FOLGADO - Mart'nália e Martinho da Vila - O grande Noel interpretado pelas lindas vozes de pai e filha. Luxo total! E destaque para este momento de puro refinamento poético: "Já te dei papel e lápis, arranja um amor e um violão".

7. CONFISSÃO - Emílio Santiago - O baile de Emílio está com tudo! Órgãos dando o tom, instrumentação elegante por cima e a voz aveludada do mestre dando forma a uma linda melodia.

8. AMOR ALHEIO - Milena Monteiro - As eternas imitadoras de Marisa Monte às vezes conseguem se mostrar interessantes. Principalmente quando acertam no repertório. É o caso aqui, no resgate deste clássico de Paulo César Pinheiro, gravado originalmente pela Joanna.

9. APELO - António Zambujo - Este português é genial! E, depois de um disco brilhante, chega com um outro, conseguindo surpreender! Transformar a melodia deste clássico de Baden e Vinicius de modo a lhe fazer um fado é sensacional!

10. DOCE SEREIA - Mateus Sartori - O disco mais recente de Mateus tem um tema interessante: só músicas compostas por Franciscos. E ele vai além dos previsíveis Buarque e César. Esta, por exemplo, é de Francisco Bosco, filho e parceiro nesta faixa de João Bosco.

11. O NAMORICO DA RITA - Ilana Volcov - Para mim, esta é a melhor faixa do novo disco de Ilana, já comentado aqui no blog. Mais uma vez temos o jogo entre tom maior e tom menor como destaque. E a letra, muito bem construída, merece aplausos também.

12. ESTA TERRA - Caetano Veloso - Adorei o filme O Bem Amado e gostei muito de ver que Caetano fez uma nova (e linda) trilha para a história, conseguindo se distanciar das obras sensacionais criadas por Toquinho e Vinicius para a novela respectiva.

13. LEMBRANÇA - Teresa Cristina - Sou fã absoluto de Teresa desde o seu primeiro disco. E é muito bem vê-la evoluindo, tanto como cantora quanto como compositora. Nesta faixa, a artista deixa de lado o samba que a consagrou e se mostra também ótima em momentos de introspecção.

14. AQUI - Antônio Villeroy - O parceiro mais constante de Ana Carolina também canta! E dá conta do recado direitinho, fazendo com que suas interpretações sejam às vezes mais agradáveis que as que Ana faz para as mesmas canções.

15. JUDIARIA - Tetê Espíndola - Eu ando apaixonado por esta música! Se Lupicínio, para mim, já era um gênio, agora então... Admito que a voz de Tetê não é das minhas preferidas. Mas, como existem pouquíssimas gravações desta canção, acabei optando por esta mesmo.

16. CAMINHO DO MEU CORAÇÃO - Danilo Caymmi - É Michael Sullivan deixando sua marca na família Caymmi! A melodia grudenta e a letra vazia, junto com a ótima voz de Danilo, fazem uma faixa saborosa!

17. POR QUE TE AMO - Simone - Romantismo total! Simone empresa o visgo elegante e sedutor da sua voz a mais esta joia de Sueli Costa. É MPB da boa, com melodia envolvente, do jeito que a gente gosta!

18. PLENITUDE - Elza Soares - E, já que o momento é das melodias fáceis, que venham Elza e seu gogó, cantando este samba animadíssimo e otimista. Mais uma faixa do seu lindo disco "

19. MINHA GENTE DO MORRO - Clara Nunes - Este mês fui a um show em homenagem a Candeia e esta foi a canção que mais me impressionou. Quem a interpretou foi a arrasadora Graça Braga, mas, enquanto ela não a grava, fiquemos com a inesquecível Clara.

20. NÃO SUJE O MEU CAIXÃO - Alcione - Em julho foi lançado um disco só com gravações realmente raras da Marrom, organizado pelo produtor Rodrigo Faour. O disco é um espetáculo e é de lá que saiu este samba, tão divertido e inusitado quanto delicioso.

21. RECIFE, MANHÃ DE SOL - Maria Bethânia - Ah, como é bom ouvir Bethânia cantando essas coisas lindas! Meio frevo lento, meio marcha-rancho... úma coisa maravilhosa!

22. CASINHA PEQUENINA - Gonzaga Leal - E, se é para falar em Recife, que se ouça Capiba na voz de Gonzaga Leal. Outra pérola, outra gravação belíssima, outro artista caprichoso. E os privilegiados somos nós!

23. XICA RAINHA - Patrícia Amaral, Marcus Viana e Transfônica Orkestra - Para fechar, a trilha que abria a novela Xica da Siva, na Manchete. Porque, em julho, li o livro homônimo e fiquei impressionado com a força da escrava-rainha.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 20 - Ernesto Nazareth


Duas imagens da minha infância envolvem o nome de Ernesto Nazareth. A primeira é do dia em que peguei um LP que tinha em casa, chamado Antologia do Chorinho, e li uma micro-biografia do compositor. Dizia que ele tinha morrido, louco e, dias depois, encontrado em uma cachoeira, com as mãos na posição de quem toca piano. Isso me impressionou muito. Mas não tanto quanto me impressionava ouvir minha mãe, ao piano, tocando "Escorregando" e eu, pequeno, podendo me deliciar daquela polca-tango amaxixada. Saudade do tempo em que se aprendia a gostar de música assim por acaso.

1. ODEON - Eliete Negreiros
2. APANHEI-TE CAVAQUINHO - Nara Leão
3. BREJEIRO - Pedro Amorim e Época de Ouro
4. FACEIRA - Paulo Sérgio Santos, Pedro Amorim e Maurício Carrilho
5. PERIGOSO - Eliézer Rodrigues, Proveta e Rui Alvim
6. QUEBRADINHA - - Arthur Moreira Lima, Abel Ferreira e Época de Ouro
7. TENEBROSO - Turíbio Santos
8. BAMBINO - Zé Luiz Mazziotti
9. FLORAUX Jacob do Bandolim
10. ATLÂNTICO - Quatro a Zero
11. FIDALGA - Arthur Moreira Lima
12. SARAMBEQUE - Marco Antônio de Almeida
13. FAMOSO - Arthur Moreira Lima
14. O FUTURISTA - Arthur Moreira Lima
15. LABIRINTO - Trio Madeira Brasil
16. ESCOVADO - Raphael Rabello e Dino 7 Cordas
17. BATUQUE - Marcelo Caldi e Fábio Luna
18. GOTAS DE OURO - Moderna Tradição
19. ESCORREGANDO - Carol Saboya
20. MERCEDES - Arthur Moreira Lima

sábado, 7 de agosto de 2010

Célia - O lado oculto das canções


A proposta talvez fosse a de trazer para um universo mais sofisticado e elitizado, o da MPB, canções tidas como popularescas (pela facilidade melódica), vulgares (pelas gravações originais pouco elaboradas) ou apelativas (pelo sentimentalismo das letras). Trazer para este olimpo impenetrável que alguns creem ser a MPB, esquecendo-se do que quer dizer o "P" da sigla. Mas o que traz O lado oculto das canções - novo disco de Célia, que também serve para celebrar os seus 40 anos de carreira - não é extamente isso. É muito mais.

Célia - certamente escorada na opinião de gente muito antenada e competente (produtores, amigos, colegas) - montou um roteiro bastante variado, que transita tanto entre o que é considerado brega, quanto entre o que se convencionou chamar de cult; vai do romântico derramado ao lirismo mais sutil; abraça a canção do puro sofrimento, se enrola no tema quase-deboche e sai de mãos dadas com a fina-flor da MPB. E Célia só não construiu, assim, um Frankeinstein musical por dois motivos: porque está cantando muito e lindamente; e porque conseguiu ter arranjos coerentes entre as faixas.

Que Célia é uma grande cantora, isso não é novidade. Quem conhece os sus discos da década de 70 sabe bem do que ela é capaz. E quem tem ouvido seus trabalhos mais recentes sabe também do quanto sua voz envelheceu bem. Célia continua com a voz volumosa, ampla, potente, mas sem deixar que a rouquidão tomasse conta de tudo, conseguindo, quando quer, por outro lado, dar um tom menos agressivo e mais suave ao seu cantar. As notas altas continuam marcando presença, mas os tons médios e graves estão muito bem explorados também. Enfim, uma senhora cantora!

Quanto aos arranjos do disco, são eles os responsáveis pela identidade entre as faixas. Um contrabaixo que se sobressai e um piano que tende ao discreto dão ao disco um tom inevitavelmente bluesy - que tira Célia da mesmice reinante na MPB de hoje e a faz se destacar como cantora. Mas o charme e as sutilezas do disco ficam por conta do instrumental. Porque, tendo a base piano-e-baixo quase sempre mantida, sobra espaço para intervenções instrumentais tão agradáveis quanto criativas. Como, por exemplo, a de um conjunto de cordas bem adocicadas, de uma harpa surpreendente, de um trompete jazzeiro, de um clarinete a la saudade, ou mesmo de um acordeão ou de um bandoneón (que hoje até já se fazem batidos, tanto tem sido o uso).

No que se refere ao repertório, o disco de Célia também marca pontos. 1) Porque resgata composições realmente esquecidas ou inesperadas - como "Êxtase" (de Guilherme Arantes - que vem sendo bem regravado ultimamente), "Cantiga de quem está só" (dos craques Evaldo Gouveia e Jair Amorim) e "Não se vá" (o standart kitsch, interpretada originalmente pela dupla Jane e Herondy). 2) Porque se vale de clássicos não tão óbvios, resgatando uma memória afetiva interessante, sem deixar de surpreender - casos de "Apelo" (de Vinicius de Moraes e Baden Powell), em um arranjo totalmente diferente daqueles que se costuma ouvir, e de "Meu benzinho", linda composição da sempre desconcertante Angela Ro Ro. 3) Mas principalmente porque Célia consegue dialogar com compositores de hoje, tendo gravado obras de Ana Carolina com Antonio Villeroy (a pungente "Aqui", já muito bem defendida pelos seus dois autores), Zélia Duncan com Hamilton de Holanda (a mais linda faixa do disco, "Desejo de mulher", mostrando que as parcerias de Zélia só têm feito render) e Zeca Baleiro (em uma versão bem pesada de "Cigarro").

Dizer que o repertório inteiro do disco é bom seria um exagero. Há altos - já citados - e baixos, é claro. Por exemplo: sem embargo de "Sonhos" (de Peninha) ser uma canção até interessante, ela e seu compositor já vêm sendo resgavados há algum tempo e Célia não consegue adicionar nada em sua interpretação. A cantora poderia ter "descido" ainda mais fundo no baú da MPB supostamente brega e ter pescado algo realmente surpreendente. O estilo e a sonoridade sofisticados do disco permitiriam à artista trazer algo verdadeiramente trash ao universo da MPB, causando um impacto ainda maior e dando mais sentido ainda ao título do disco.

Mas, no geral, Célia vem com um trabalho que merece respeito. Porque envolve a cantora em uma aura de capricho e refinamento (muito por conta da belíssima capa) a que ela já fazia jus há tempos. Porque é ousado em certa medida, revela um lado oculto da cantora (o da sofisticação que não busca o caminho fácil), passeia no tempo e não soa banal. Não é para se ouvir e sair cantando. É para se ouvir sozinho, quieto, prestando atenção em cada detalhe. Como um vinho antigo.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 19 - Jacob do Bandolim


Jacob, além de um grande compositor, foi também um ás do bandolim. De modo que suas interpretações para choros de outros compositores também são imortais. Mas, para que se desse destaque aqui à sua porção compositora, troquei as faixas que a Folha trazia com Jacob interpretando choros de outros compositores por obras próprias do bandolinista. Acho que ficou melhor assim. E procurei dar preferência para as composições que tivessem recebido letra, para manter a tradição de se privilegiar, neste blog, os cantores de MPB. Espero que gostem do resultado!

1. NOITES CARIOCAS - Dona Jandira
2. ASSANHADO - Da trilha sonora do filme Brasileirinho
3. BENZINHO - Zé Renato
4. FALTA-ME VOCÊ - Olívia Hime
5. NOSTALGIA - Choro Ensemble
6. ALVORADA - Nó Em Pingo d'Água
7. VASCAÍNO - Jacob do Bandolim
8. BOLE-BOLE - Nilze Carvalho, Zé da Velha e Silvério Pontes
9. DIABINHO MALUCO - Rabo de Lagartixa
10. A GINGA DO MANÉ - Nicolas Krassic e Hamilton de Holanda
11. O VOO DA MOSCA - Radamés Gnattali e Camerata Carioca
12. VIBRAÇÕES - Hamilton de Holanda
13. MEU LAMENTO - Marcos Sacramento
14. DOCE DE COCO - Zélia Duncan
15. SIMPLICIDADE - Jacob do Bandolim
16. DOLENTE - Jacob do Bandolim
17. SAPECA - Jacob do Bandolim
18. SEMPRE TEU - Jacob do Bandolim
19. FEIA - Jacob do Bandolim
20. REMINESCÊNCIAS - Jacob do Bandolim

Raízes [e frutos] da MPB 18 - Chiquinha Gonzaga


Chiquinha me deu trabalho, viu? Foi difícil encontrar composições suas que tivessem recebido letra depois. Fiz o que pude, busquei por aí e até me dei o direito de, apenas neste volume, nãocseguir a mesma lista de músicas proposta pela Folha. Mas acho que o resultado está bom! Um disco bem bonito, com aquele ar de música antiga, mas com gravações todas bem recentes. Destaque para a versão de "Lua branca" com Leila Pinheiro. Aproveitem!


1. ATRAENTE - Olívia Hime
2. LUA BRANCA - Leila Pinheiro
3. CORTA-JACA - Ná Ozzetti
4. ÁGUA DO VINTÉM - Consiglia Latorre
5. FOGO FOGUINHO - Rita Maria
6. NAMORADOS DA LUA - Milton Nascimento
7. MENINA FACEIRA - Moska
8. O POETA E A MAESTRINA - Olívia Hime e Chico Buarque
9. CORDÃO CARNAVALESCO - Alcione
10. NÃO VENHAS - Emílio Santiago
11. A SERTANEJA - Ná Ozzetti
12. TAVA ASSIM DE PORTUGUÊS - Carlos Careqa
13. A CORTE NA ROÇA - Beto Guedes
14. CHINELINHA DO MEU AMOR - Suzana Salles
15. O NAMORO - Renato Teixeira
16. MAXIXE DA ZEFERINA - Beth Carvalho
17. MACHUCA - Daniela Mercury
18. A MORENA - Vânia Carvalho
19. UM PIANO APAIXONADO - Olívia Hime
20. Ô, ABRE ALAS - Marlene, Emilinha Borba e Angela Maria

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 17 - Silvio Caldas


Não foram poucas as pessoas que, o se referirem a Silvio Caldas, usaram a palavra "chato". Eu confesso que também não sou muito de ficar ouvindo o Caboclinho Querido, por achar seu estilo de cantar um pouco cansativo realmente. Entretanto, não se pode negar que ele fosse um ótimo compositor e um craque de repertório. De modo que, ao misturar composições de Silvio com canções de outros autores imortalizadas pela sua voz, a coletânea da Folha permitiu que se tivesse aqui um conjunto imbatível de músicas: "As três lágrimas", "Rosa", "Chuvas de verão", "Minha palhoça" etc. É sem dúvida um dos melhores volumes desta série! Não percam!

1. CHÃO DE ESTRELAS- Andrea Pinheiro
2. ANDORINHA - Dalva de Oliveira
3. ARRANHA-CÉU - Zé Renato
4. CABELOS COR-DE-PRATA - Bebeto Castilho
5. MINHA PALHOÇA - Mônica Salmaso
6. QUASE QUE EU DISSE - Emílio Santiago
7. BONECA - Francisco Petrônio
8. ARREPENDIMENTO - Marília Medalha
9. AS TRÊS LÁGRIMAS - Ney Matogrosso
10. DEUSA DA MINHA RUA - Geraldo Maia
11. O NOME DELA EU NÃO DIGO - Silvio Caldas
12. MULHER - Sidney Magal
13. VIVA MEU SAMBA - Olívia Hime
14. VELHO REALEJO - Amélia Rabello
15. OS RIOS QUE CORREM PRO MAR - Teresa Cristina
16. PROMESSA - Marcos Sacramento
17. ROSA - Ná Ozzetti
18. CHUVAS DE VERÃO - Madalenna
19. DA COR DO PECADO - Fagner
20. A VOZ DO VIOLÃO - Lula Barbosa

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 16 - Paulo Vanzolini


Foi a gravadora Biscoito Fino quem melhor trabalhou a obra de Paulo Vanzolini. Não fosse pelos quatro CDs que compõem a caixa Acerto de contas, muita gente continuaria achando que o compositor-biólogo tinha feito apenas "Ronda" e "Volta por cima". Qual nada. Paulo Vanzolini fez outros clássicos - como "Mente", "Praça Clóvis" e "Samba erudito" -, pôs uma letra diferente da que mais se conhece em chorinho de Waldir Azevedo - "Pedacinhos do céu" - e ajudou a trazer para a formalidade tema regional e popular - "Cuitelinho". A base desta coletânea não poderia deixar de ser os tais quatro CDs, mas há lugar também para faixas de outros discos, como a belíssima gravação de "Ronda", feita por uma emocionada Carmen Costa - que, na década de 70, foi uma dos que ajudaram a manter viva e dar sucesso à obra de Vanzolini. Enfim, temos aqui um pouco do melhor samba paulista.

1. RONDA - Carmen Costa
2. VOLTA POR CIMA - Roberto Silva
3. NAPOLEÃO - Carlinhos Vergueiro
4. MULHER QUE NÃO DÁ SAMBA - Chico Aguiar
5. NA BOCA DA NOITE - Márcia
6. CAPOEIRA DO ARNALDO - Bando de Macambira
7. MARIA QUE NINGUÉM QUERIA - João Macacão
8. CHORAVA NO MEIO DA RUA - Virgínia Rosa
9. FALTA DE MIM - Cristina Buarque
10. JUÍZO FINAL - Martinho da Vila
11. AMOR DE TRAPO E FARRAPO - Marcelinho Moreira
12. LEILÃO - Chico Aguiar
13. SAMBA ABSTRATO - Carlinhos Vergueiro
14. CARA LIMPA - Jussara Silveira
15. PRAÇA CLÓVIS - Ana Bernardo
16. CUITELINHO - Maria Marta
17. MENTE - Clara Nunes
18. SAMBA ERUDITO - Miúcha
19. QUANDO EU FOR, EU VOU SEM PENA - Chico Buarque
20. PEDACINHOS DO CÉU - Ana Bernardo

domingo, 1 de agosto de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 15 - Jackson do Pandeiro


As férias vão chegando ao fim, as atividades vão voltando a todo vapor e parece que o tempo diminui. Espero poder continuar postando minhas coletâneas aqui, assim como também espero encontrar tempo para ouvir discos novos e pôr aqui meus comentários para a gente debater. Por ora, segue o 16º volume da série Raízes [e frutos] da MPB, homenageando Jackson do Pandeiro. Espero que gostem!

1. FORRÓ EM CARUARU - Jackson do Pandeiro
2. CHICLETE COM BANANA - Wanderléa
3. UM A UM - Os Paralamas do Sucesso
4. XOTE DE COPACABANA - Blitz
5. A MULHER DO ANÍBAL - Chico Buarque e Zeca Pagodinho
6. CANTIGA DO SAPO - Renato Braz
7. O CANTO DA EMA - Cláudio Jorge e Luiz Carlos da Vila
8. FORRÓ EM LIMOEIRO - João Bosco
9. 17 NA CORRENTE - Gilberto Gil
10. SEBASTIANA - Eduardo Dusek
11. CASACA DE COURO - Banda de Pífanos de Caruaru
12. FALSA PATROA - Moyseis Marques
13. FALSO TOUREIRO - Gilberto Gil
14. CAJUEIRO - Jackson do Pandeiro
15. A ORDEM É SAMBA - Ney Matogrosso, Pedro Luís e A Parede
16. COCO DO NORTE - Renata Arruda
17. LÁGRIMA - Belô Velloso
18. NA BASE DA CHINELA - Cascabulho e Geraldo Azevedo
19. SINA DE CIGARRA - Maria Rita
20. LAMENTO CEGO - Zé Ramalho

sábado, 31 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 14 - Herivelto Martins


Herivelto está em alta! Desde que a Rede Globo resolveu contar em mini-série a vida do compositor com a cantora Dalva de Oliveira, todo o mundo sabe quem é Herivelto Martins. Só que o homem retratado na televisão não chega nem perto da grandeza que tem este compositor. E o intuito desta coletânea é justametne tentar mostrar como a obra de Herivelto é importante, ao mesmo tempo popular e sofisticada. Indo do samba mais carnavalesco à fossa mais arrasarora, ele era sempre muito elaborado. Percebam isso, dando ouvidos a nomes variados, como os jovens Moska, Marcos Sacramento e Adriana Marques; como os eternos João Gilberto, Alaíde Costa e Maria Bethânia. E emocionem-se com o dueto afetivo entre Dalva de Oliveira (mulher, musa e intérprete de Herivelto) e Pery Ribeiro, filho do casal.

1. AVE MARIA NO MORRO - João Gilberto e Caetano Veloso
2. IZAURA - Sururu na Roda
3. NEGA MANHOSA - Zélia Duncan
4. SEGREDO - Elymar Santos
5. NEGRO TELEFONE - Pery Ribeiro
6. CAMISOLA DO DIA - Maria Bethânia
7. A BAHIA TE ESPERA - Fundo de Quintaç
8. CABELOS BRANCOS - Casuarina e Moska
9. CAMINHEMOS - Ná Ozzetti
10. CARLOS GARDEL - Pery Ribeiro
11. DOIS CORAÇÕES - Dalva de Oliveira e Pery Ribeiro
12. EDREDOM VERMELHO - Áurea Martins
13. BOM DIA - Alaíde Costa
14. PENSANDO EM TI - Wilson Simonal
15. ATIRASTE UMA PEDRA - Ney Matogrosso
16. MOMENTOS DE TRISTEZA - Moacyr Luz
17. ATÉ A VOLTA - Adriana Marques
18. MEU RÁDIO E MEU MULATO - Marcos Sacramento
19. E O DESTINO DESFOLHOU - Maria Lucia
20. MANGUEIRA, NÃO / SAUDOSA MANGUEIRA / LÁ EM MANGUEIRA / PRAÇA ONZE - Herivelto Martins, Alcione, Beth Carvalho, Marçal e Pery Ribeiro

Raízes [e frutos] da MPB 13 - Braguinha

João de Barro - ou Braguinha, como muitos o conhecem - foi um nome ímpar da MPB. Trabalhou como executivo de gravadora, fez versões para músicas americanas imortais, compôs obras sensacionais ao lado de compositores igualmente geniais, fez letras para melodias prontas, foi pioneiro na música infantil etc. Um homem com uma visão do mundo - e, particularmente, das artes e da música - fora do comum. Monta esta coletânea foi difícil, porque muitas das composições de Braguinha já se perderam pelo imaginário popular e, por causa disso, provavelmente, não sejam tão gravadas. Mas, de qualquer forma, temos aqui gravações interssantes, como "Carinhoso", no raro registro de Elba Ramalho; "Laura", candata por um nada comedido Cauby Peixoto; "Touradas em Madri", interpretada por Ná Ozzetti, em arranjo que remete à gravação histórica feita por Carmen Miranda; Agnaldo Timóteo se esvaindo em emoções em "Primavera no Rio" etc. Aproveitem!
1. CARINHOSO - Elba Ramalho
2. CANTORES DO RÁDIO - Alfredo Del-Penho, Pedro Miranda e Pedro Paulo Malta
3. FIM DE SEMANA EM PAQUETÁ - Jorge Goulart
4. TOURADAS EM MADRI - Ná Ozzetti
5. BALANCÊ - Gal Costa
6. A SAUDADE MATA A GENTE - Inezita Barroso
7. COPACABANA - Martinho da Vila
8. AS PASTORINHAS - Eliete Negreiros
9. SEU LIBÓRIO - Garganta Profunda
10. LAURA - Cauby Peixoto
11. MORENINHA DA PRAIA - Ellen de Lima
12. CIÚME SEM RAZÃO - Pedro Miranda
13. PRIMAVERA NO RIO - Agnaldo Timóteo
14. YES, NÓS TEMOS BANANAS - Ney Matogrosso
15. NA HORA DA SEDE - Zélia Duncan
16. MANÉ FOGUETEIRO - Elisa Paraiso e Guinga
17. DAMA DAS CAMÉLIAS - Caetano Veloso
18. TEM GATO NA TUBA - Nara Leão
19. FELICIDADE - Diogo Poças
20. PELA ESTRADA - Joyce

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Marcos Sacramento, Soraya Ravenle e Luís Filipe de Lima - Breque moderno


Quem ouviu o disco Memorável samba, de Marcos Sacramento, e prestou atenção à faixa "Esta noite eu tive um sonho", sabe que o cantor é bom no breque, canta muito e gosta de um disco bem produzido. Desta vez, acompanhado de Soraya Ravenle e escorado nos violões de Luís Filipe de Lima, Marcos lança novo disco, todo cheio de sambas de breque, todo cheio de bossa, mas com espaço para marchinhas e outros gêneros. Trata-se de Breque moderno, disco recentemente lançado pela Rob Digital, em que o cantor volta à seara da música antiga, dando vida nova a obras já quase relegadas ao esquecimento.

Mas o fato é que, embora o disco traga na capa o nome dos três artistas já citados, Marcos Sacramento toma conta de tudo! Não poderia ser diferente, já que se trata de um dos nossos melhores cantores, à vontade em um repertório que é a sua praia - ou pelo menos parece ser, de tão à vontade que ele soa -, acompanhado por arranjos que transitam entre o tradicional, o harmonioso, o criativo e o encantador. Não que a presença de Soraya não chame a atenção ou não seduza pela delicadeza. Chama, sim, claro. Seduz, sim, claro. Mas aconece que, ao lado de Marcos, qualquer um se ofusca, qualquer um parece ter voz pequena. E, admita-se, Soraya já esteve melhor em outros discos - como em O dono das calçadas (homenagem a Nelson Cavaquinho) ou em Sassaricando (o renascimento das marchinhas), por exemplo.

Entre uma composição e outra mais conhecidas - casos de "Tem que rebolar" (imortalizada pelo dueto-incêndio entre Ney Matogrosso e Elza Soares, apresentado na série Casa de Samba), "Recenseamento" (sucesso de Carmen Miranda recentemente gravado por Ná Ozzeti e Banda Glória), "Joujoux e balangandans" (obra imortal de Lamartine Babo, composto nos idos da era Vargas e eternizada pelo dueto entre João Gilberto e Rita Lee) e "Samba rasgado" (outra de Carmen, que ganhou sucesso pela interpretação de Gal Costa) -, acabam brilhando mais as pérolas menos óbvias. É assim que salta aos ouvidos "O relógio lá de casa", linda composição de Lupicínio Rodrigues (em parceria com Felisberto Martins), cantada no limite da perfeição por Marcos Sacramento. É assim também que ganha fôlego o "Samba no Nepal", obra de Jota Canalha (pseudônimo de Henrique Cazes) que supera de longe todas as que ele incluiu em seu primeiro disco, A voz do botequim. Sem falar na surpreendente "Águia de Haia", de extrema leveza e profundo sarcasmo, de autoria do próprio produtor do disco (em parceria com o sempre genial Nei Lopes) debochando da pompa acadêmica, da falácia balofa e da síndrome de Ruy Barbosa que às vezes acometem alguns. Sensacional!

No geral, Breque moderno é um disco delicioso. Sua assinatura tripla e seu conteúdo baseado predominantemente em regravações dá ao disco um caráter de projeto especial, de resgate histórico, de algo assim... não de um disco de carreira. Melhor, porque evitam-se as críticas quanto a repertório antigo, pouca inovação, falta de criatividade etc. Fica apenas a ideia de que se tem em mãos um disco especial, de produção enxuta porém caprichada, que, se peca em algum aspecto, peca por ser curto demais. A vontade é de se ouvir mais, de se continuar no clima nostálgico e bem-humorado das gravações.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Roberta Sá - Quando o canto é reza

Roberta Sá é uma grande cantora? Sim! De todas as vozes novas que não param de surgir, certamente é uma das melhores. Roque Ferreira é um grande compositor? Sim! Sempre fez canções maravilhosas, mas, especialmente nos últimos anos, tem conseguido um sucesso tão imenso quanto merecido. O Trio Madeira Brasil é composto por grandes músicos? Sim! Seus violões, violas e bandolins, juntos, são imbatíveis na arte da delicadeza e do apuro técnico. E por que, ao se juntar a voz de Roberta com as canções Roque, com acompanhamentos do Madeira, não se tem um grande disco? Porque, embora seja uma cantora de timbre límpido, técnica primorosa, bom gosto indiscutível e produção caprichada, Roberta não é ousada. Porque, sem embargo de compor em vários ritmos e gêneros, sempre de forma melodiosa e inventiva, Roque acaba se repetindo nas rimas e nas melodias. Porque, ainda que toque brilhantemente, com uma destreza perfeita e uma harmonia sonora única, o Trio Madeira Brasil não se revela versátil.

Quero com isso dizer que Quando o canto é reza - disco mais recente de Roberta Sá, todo baseado em composições de Roque Ferreira, inteiramente adornado pelo acompanhamento do Trio Madeira Brasil - é um disco ruim? Claro que não! Por certo é muito melhor do que muita salada mista que sai por aí. Por certo vai agradar aos fãs e aos novos ouvintes da cantora. Por certo vai render boas críticas. Mas o que o disco não tem é justamente uma variedade, uma mistura, um contraste entre as gravações que pegue o ouvinte de surpresa ou que o faça mudar de sensação a cada faixa. O disco de Roberta, para dizer o mínimo, é linear.

E, repito, não está se falando aqui de um disco ruim. Apensa podia se esperar mais de uma cantora tão especial quanto Roberta Sá - que lançou um estupendo primeiro disco (Braseiro), superou com facilidade e louvor a barreira do segundo disco (Que belo estranho dia para se ter alegria) e que, inclusive, não sucumbiu à maldição do disco ao vivo (Ao vivo no Rio). E a sua curta porém brilhante carreira é exatamente o seu pecado: Roberta Sá criou os seus próprios critérios de comparação, que agora permitem uma avaliação nem tão positiva do seu novo trabalho. Porque Roberta já tinha gravado Roque Ferreira - "Laranjeira", excelente faixa de seu segundo trabalho - e também já tinha se valido das cordas do Trio Madeira Brasil em ocasião anterior. De maneira que o disco atual, além de linear, é pouco surpreendente. É previsível.

Destaques existem? Claro! "Zambiapungo" é da safra mais nobre de Roque Ferreira, assim como também são "Água da minha sede" (já muito bem gravada por Zeca Pagodinho) e "A mão do amor" (cujo trecho inicial já havia sido gravado por Maria Bethânia em um de seus dois discos mais recentes). São faixas de gravação primorosa, que merecem todos os aplausos. Destaque também para o lindo material gráfico do disco, absolutamente requintado no seu rústico e totalmente sofisticado no seu simples - diferente de tudo o que se podia esperar em um disco de uma cantora "jovem", enfim. E, precisamos concordar, Roberta Sá está cantando cada vez melhor: arriscando gravar em tons não tão altos, alongando um pouco mais as notas, de modo a ganhar personalidade! Tomara que isso a faça mais segura, mais confortável para ousar, para inventar, para cantar sem medo de ser feliz. E, enquanto isso, a gente vai aproveitando este lindo disco!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Raízes´[e frutos] da MPB 12 - Dorival Caymmi


Caymmi é o máximo! E, para falar dele, eu nem sei por onde começar. Estudei tanto a vida e a obra deste gênio para elaborar minha dissertação de mestrado que, agora, quando preciso escrever umas poucas linhas, me sinto perdido. Só me lembro de ter uns oito anos e estar andando na praia entre meu avô e minha avó: ele, desafinadíssimo, tentando cantar "Marina", mas só se lembrando de uma parte da letra, e ela tentando pôr ordem naquilo, marcando compassos, regrando o ritmo, ajustando as notas. De lá para cá foi tudo tão natural que o tempo nem parece ter passado. Caymmi tem essa magia, de subverter qualquer noção de tempo que se possa ter. Compõe ao seu tempo, lança disco ao seu ritmo, faz uma música que parece etérea, não se materializando em lugar nenhum que não nos nossos corações.

Procurei aqui não repetir nenhum fonograma já incluído na coletânea O bom velhinho, postada há alguns meses, também em homenagem a Caymmi. Aos fãs de Dorival ou da boa MPB, recomendo o download! Se naquele disco tínhamos, por exemplo, "O mar" na interpretação respeitosa de Sérgio Ricardo, temos aqui o próprio Caymmi defendendo sua obra mais significativa. Assim também é que entram aqui seus três filhos, Nana, Dori e Danilo, defendendo cada um um clássico de papai.

Caymmi dizia, sem modéstia nenhuma, que quem melhor cantava as suas canções era ele mesmo. Eu tenho que concordar, embora os maiores cantores da nossa música (para não falar todos) já tenham criado para as canções de Caymmi versões sensacionais: de Carmen a Roberta, de Francisco a Diogo, sem falar em Gal, Bethânia, Caetano, Gil, Milton, Fafá etc. Caymmi é eterno.

1. VOCÊ JÁ FOI À BAHIA? - Margareth Menezes
2. NOITE DE TEMPORAL - Angela Maria
3. O MAR - Dorival Caymmi
4. O QUE É QUE A BAIANA TEM? - Rita Lee
5. O SAMBA DA MINHA TERRA - Novos Baianos
6. ACALANTO - Roberto Carlos
7. DORA - Milton Nascimento e Gilberto Gil
8. MARINA - Danilo Caymmi
9. MARACANGALHA - Diogo Nogueira
10. JOÃO VALENTÃO - Ná Ozzetti
11. SAUDADE DA BAHIA - Moinho
12. ... DAS ROSAS - Ana Salvagni
13. ORAÇÃO DE MÃE MENININHA - Daniela Mercury
14. SAUDADE DE ITAPOÃ - Nana Caymmi
15. MORENA DO MAR - Maria Bethânia
16. NEM EU - Adriana Maciel
17. ROSA MORENA - Zé Renato
18. SÁBADO EM COPACABANA - Cláudio Nucci
19. VOCÊ NÃO SABE AMAR - Jussara Silveira
20. QUEM VEM PRA BEIRA DO MAR - Dori Caymmi

sábado, 24 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 10 - Luiz Gonzaga


Ah, o rei do baião! Que figura interessante, que compositor brilhante! E como foi gravado, minha gente! Ouçam esta coletânea e percebam a gama de cantores que já tiraram partido das palavras, das notas e dos parceiros de Luiz Gonzaga! Temos aqui os óbvios Dominguinhos e Elba Ramalho, mas temos também Claudette Soares, Célia e Vanusa! E a gente talvez nem dissesse que são canções do Lua, porque, muitas vezes, o baião passa longe! Reparem também na pungente interpretação de Daniel Gonzaga (neto de Luiz) para a linda "A volta da asa branca"... um espetáculo!

P. S. - Fiquei horas sem postar porque a NET me deixou sem internet durante quase 24h! Detesto esta empresa e, se você estiver pesquisando empresas de internet para contratar uma, tom cuidado com a NET, que presta um serviço precário, tem um atendimento ao cliente nojento e cobra por isso um calor astronômico! Vamos ao xote, por favor!

1. BAIÃO - Claudette Soares
2. ASA BRANCA - Maria Bethânia
3. SABIÁ - Clara Becker
4. XOTE DAS MENINAS - Dominguinhos e João Bosco
5. VOZES DA SECA - Quinteto Violado
6. QUI NEM JILÓ - Trio Virgulino e Zeca Baleiro
7. A VIDA DO VIAJANTE - Dominguinhos e Chico Buarque
8. DANADO DE BOM - Elba Ramalho
9. NUMA SALA DE REBOCO - Virgínia Rosa
10. PARAÍBA - Zé Ramalho
11. RESPEITA JANUÁRIO - Lenine
12. ABC DO SERTÃO - Bicho de Pé
13. JUAZEIRO - Gilberto Gil
14. A VOLTA DA ASA BRANCA - Daniel Gonzaga
15. PAU-DE-ARARA - Cláudio Jorge e Luiz Carlos da Vila
16. DÚVIDA - Célia
17. BAIÃO DE DOIS - Caetano Veloso
18. ASSUM PRETO - Renato Braz
19. RIACHO DO NAVIO - Vanusa
20. OLHA PRO CÉU - Ceumar

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 09 - Ary Barroso


Às vezes eu esqueço que fiz meu mestrado sobre Dorival Caymmi, e passa pela minha cabeça a ideia de que Ary Barroso é o nosso maior compositor. Sei lá... eleger "o maior", "o melhor", "o mais importante" talvez nem seja algo possível, em se tratando de arte. Mas como não considerar esta hipótese para alguém que compôs "Aquarela do Brasil", "No tabuleiro da baiana" e "Isto aqui o que é?"? Isso sem falar em clássicos absolutos como "No rancho fundo", "Camisa amarela", "É luxo só" e "Na Baixa do Sapateiro"! Isso sem mencionar diamantes do quilate de "Três lágrimas", "Tu" e "Maria"! Enfim, por qualquer ângulo que se olhe, Ary é um compositor descomunal e montar este volume da série Raízes [e frutos] da MPB foi um trabalho simplesmente de eliminação... porque eram tantas músicas sensacionais, em gravações dos mais variados tipos e estilos, que foi difícil ficar só com 20. E já tem mais um livro na minha fila de leituras: a biografia de Ary Barroso, escrita por Sérgio Cabral. Só me falta tempo!

Baixem e ouçam a coletânea, cheia de gravações diferentes das que todos estamos costumados a ouvir! Saem as Elizeths, as Dalvas, os Franciscos e os Silvios de sempre e entram os mais atuais Zé Renato, Rosa Passos e Jane Duboc. Sempre com espaço para um Cauby mais surpreendente, uma Angela Maria mais dramática ou um Nelson Gonçalves mais emotivo! E reparem também nas gravações raras de "Risque", com Elba Ramalho, e "Pra machucar meu coração", em dueto de Ney Matogrosso e Paulinho da Viola. Sensacionais! E livrem-se do preconceito para ver como Ary consegue dignificar nomes até como os de Alexandre Pires, Elymar Santos e Fábio Jr. Viva Ary Barroso!

1. AQUARELA DO BRASIL - Alexandre Pires
2. NO TABULEIRO DA BAIANA - João Gilberto, Maria Bethânia, Caetano Veloso e Gilberto Gil
3. MORENA BOCA DE OURO - Cauby Peixoto
4. RISQUE - Elba Ramalho
5. É LUXO SÓ - Elza Soares
6. POR CAUSA DESSA CABOCLA - Eliete Negreiros
7. NA BAIXA DO SAPATEIRO - Daniela Mercury
8. FOI ELA - Rosa Passos
9. TERRA SECA - Angela Maria
10. FOLHA MORTA - Elymar Santos
11. NA BATUCADA DA VIDA - Ná Ozzetti
12. MARIA - Jane Duboc
13. CAMISA AMARELA - Vânia Abreu
14. NO RANCHO FUNDO - Fábio Jr.
15. INQUIETAÇÃO - Zezé Gonzaga
16. FACEIRA - Zé Renato
17. PRA MACHUCAR MEU CORAÇÃO - Paulinho da Viola e Ney Matogrosso
18. TRÊS LÁGRIMAS - Nelson Gonçalves
19. TU - Dorival Caymmi
20. DEIXA O MUNDO FALAR - Olívia Byington

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Discos comprados 09


SÓ DANÇO SAMBA - Emílio Santiago - Depois de despontar no cenário musical na década de 70 com discos absolutamente estupendos (destaque para Feito para ouvir, de 1977) e tendo um timbre de voz invejável e uma técnica apurada e perfeita, Emílio tinha tudo para ser o maior cantor brasileiro. E talvez até seja mesmo, só que nem todo o mundo concordando com isso por conta do seu repertório, este sim nem sempre à altura da sua voz, nem sempre atendendo a algum critério de qualidade. Talvez por pressão do mercado, o cantor em 1988 gravou um disco chamado Aquarela Brasileira, misturando sambas de enredo com pop rock, Paulo Vanzolini com Caetano Veloso, Rita Ribeiro com Ary Barroso. O resultado agradou e, sem qualquer pudor, vieram os volumes dois, três, quatro, cinco, seis e sete! Tudo isto somado a coisas como "Saigon", "Verdade chinesa" e "Logo agora" deram a Emílio uma aura cafona da qual ele luta firmemente para se livrar. E há de conseguir. Porque seu mais recente disco, este aqui, é nada menos do que sensacional. A mistura de sempre - que deve satisfazer ao próprio artista e, só por isso, já merece respeito - permanece forte, donde haja neste disco obras de Mart'nália, Dona Ivone Lara e Tom Jobim, por exemplo. Só que a unidade ao trabalho vem dos arranjos, calcados na sonoridade dos órgãos típicos dos anos 70. Não, não e não... não se está falando aqui dos sintetizadores dos anos 80, que emulavam orquestras e baterias inteiras... tampouco refere-se aqui ao órgão azucrinante da Jovem Guarda, de onipresença irritante. O órgão que ajuda a embalar a voz de Emílio é discreto, sensual e, estando aliado a um bom piano, a um sonoro violão, a um baixo preciso e a eventuais solos de sopro, só fazendo bem ao disco. E como Emílio Santiago está cantando bem, minha gente! Difícil escolher uma faixa que se destaque, porque todas são muito bem trabalhadas e o canto do crooner soa tão natural quanto perfeito. É verdade que muita gente gosta da fase aquarelada de Emílio - avós servem também para isso -, mas comprem este disco e conheçam um outro lado, muito mais chique, muito mais sofisticado, muito mais digno do dom musical que ele tem.

BANGÜÊ - Ilana Volvov - E tem espaço para mais uma cantora no Brasil? Há compositor para tanta mulher que canta? Há mercado fonográfico que sustente tantas meninas novas? Sim, sim e sim. Se houve espaço para Aydares, Carams e Cañas, há de háver para vozes menos pasteurizadas, para discos menos frios, para a música mais sincera. Afeto e sinceridade são marcantes neste disco de Ilana, que surpreende por uma sonoridade tradicional, o que hoje, invelizmente, já não se espera de uma cantora jovem. Não se ouvem no disco batidinhas eletrônicas, vozes distorcidas ou sons tirados de objetos estranhos. O que se tem, de fato, é muito violão, muita flauta e muita clarineta. E a ousadia?, perguntarão os que acham que todo jovem tem que ser ousado. A ousadia está em se gravar Capiba em pleno início do século XXI, tempo farto que tem assistido ao surgimento de ótimos compositores de MPB. Não que Ilana os ignore - certamente não -, mas prefere gravar Noel, Capiba, Paulinho da Viola e Hekel Tavares. Ponto para ela, que conseguiu fazer um disco coeso, sem deixar de se mostrar versátil; tradicional, sem parecer antigo ou antiquado; suave, sem resvalar na fragilidade; intenso, sem que seja agressivo. Mérito da cantora, que conseguiu construir um trabalho baseado na sinceridade musical. Embora o timbre da cantora não me seduza completamente, porque um tanto suave demais (meio a la Salmaso), não se pode negar sua beleza. Comprem, que vale a pena!

AMIGO DE FÉ - Cláudio Jorge - O que acontece quando um músico de qualidade resolve gravar um disco como cantor? O de sempre: um disco belamente arranjado, com composições (quase todas suas) de ótimo nível, mas com um cantor que não chega lá, diga-se assim. A bem da verdade este disco nem é tão novo assim. Já tinha sido lançado há algum tempo, vivia esgotado e, agora, a Biscoito Fino resolveu devolvê-lo ao mercado em nova edição. Ótima ideia, porque se trata de um ótimo disco e, embora o violonista Cláudio Jorge não tenha na voz a mesma habilidade que tem ao violão, ele se sai bem cantando samba. Como se pode notar ao se ouvir faixas como "Estrelinha e conchinha" e "Lundu de cantigas vagas". Mas a sensação que se tem ao fim do disco é que as composições de Cláudio clamam por intérpretes de verdade, para que sejam devidamente trabalhadas e embelezadas. Foi o que já aconteceu com "Melhor assim" (estourando atualmente na brilhante interpretação de Teresa Cristina) e "Coisas simples" (gravada há pouco tempo com maestria por Ana Costa). Que outras cantoras gravem Cláudio Jorge! E que se dê valor a este compositor, tão afeito à tradição do samba, tão prolífico.

E O QUE MAIS AFLORE - Gonzaga Leal - Vai parecer redundância, porque já falei dele aqui, mas o que mais se destaca no trabalho de Gonzaga Leal é o capricho que ele imprime em seus trabalhos. E, neste disco, o capricho vai ao extremo: das fotos para o encarte, aos arranjos do disco. dos textos que complementam o conceito do disco, às participações especiais. E vale comentar também o fato de o disco trazer dez faixas de domínio público. O que isso quer dizer? Quer dizer que Gonzaga bebe na fonte da cultura popular na hora de criar sua tão sofisticada arte, mostrando que o que vem do povo e o que a ele se devolve não precisa ser rasteiro ou simplório. Pelo contrário: o luxo dourado que este artista apresenta em forma de CD vem justamente do popular. E o mérito de Gonzaga está em embaralhar essas canções entranhadas nas pedras das ruas das cidades antigas com pérolas de craques de todos os tempos, como Ataulfo Alves, Roque Ferreira e Roberto Mendes, por exemplo. Daí ele se cerca de músicos incensuráveis, chama para participar do disco gente como Marcos Sacramento e Dominguinhos e, pronto, faz um disco perfeito.

1. SÓ DANÇO SAMBA - Emílio Santiago
2. O NAMORICO DA RITA - Ilana Volcov
3. ESTRELINHA E CONCHINHA - Cláudio Jorge
4. DE MADRUGADA - Gonzaga Leal
5. TENDÊNCIA - Emílio Santiago
6. ENCONTRO - Ilana Volcov
7. COISAS SIMPLES - Cláudio Jorge
8. SAUDADE DO MEU BARRACÃO - Gonzaga Leal
9. SAMBA DE VERÃO - Emílio Santiago
10. PROCISSÃO DA PADROEIRA - Ilana Volcov
11. LUNDU DE CANTIGAS VAGAS - Cláudio Jorge
12. ÚLTIMA ESTROFE - Gonzaga Leal
13. SAMBOU, SAMBOU - Emílio Santiago
14. QUANDO O SAMBA ACABOU - Ilana Volcov
15. MELHOR ASSIM - Cláudio Jorge
16. HOJE SEI QUE VOLTO - Gonzaga Leal
17. CHEGA - Emílio Santiago
18. CONTRADANÇA - Ilana Volcov
19. LEMBRANDO CAXINÊ (ROSA MARIA / TUDO É ILUSÃO) - Cláudio Jorge
20. SAUDAÇÃO A OXOSSI / OXOSSI - Gonzaga Leal

terça-feira, 20 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 08 - Dolores Duran

A feitura do volume da série Raízes [e frutos] da MPB dedicado a Dolores Duran foi marcado por indecisões e dificuldades. Indecições porque a compositora foi gravada tantas vezes, por vozes tão lindas, em arranjos tão espetaculares que ficava difícil optar entre, por exemplo, Roberto Carlos e Tim Maia, Alcione ou Nana Caymmi etc. Escolhi segundo minha sensibilidade e, como sempre, procurei não repetir intérprete, busquei faixas menos óbvias etc.

E dificuldades porque a versão da Folha é uma das melhores de toda a série e dava até pena de substituir as tão lindas faixas por estas (não menos lindas, é claro). Mérito puro do produtor Rodrigo Faour que, conhecedor profundo da obra de Dolores, soube enfileirar pérolas raras, clássicos e surpresas. E vejam como a obra de Dolores é abrangente e atemporal: numa mesma coletânea tanto cabem as vozes tradicionais de Nora Ney e Nana Caymmi quanto as presenças hovens de Moska e Fernanda Takai.
Espero que gostem, que baixem, que deixem comentários etc!

1. A NOITE DO MEU BEM - Zezé Motta
2. FIM DE CASO / CASTIGO - Maria Creuza
3. ESTRADA DO SOL - Fernanda Takai
4. LEVA-ME CONTIGO - Pery Ribeiro
5. ARREPENDIMENTO - Agnaldo Rayol
6. POR CAUSA DE VOCÊ - Roberto Carlos
7. TERNURA ANTIGA - Paula Morelenbaum
8. IDEIAS ERRADAS - Carlos Navas
9. A FIA DE CHICO BRITO - Elis Regina
10. CANÇÃO DA VOLTA - Nora Ney
11. COISAS DE MULHER - Dolores Duran
12. NA ASA DO VENTO - Fagner
13. SOLIDÃO - Moska
14. PELA RUA - Alaíde Costa
15. NÃO ME CULPES - Ná Ozzetti
16. O NEGÓCIO É AMAR - Anna Lemgruber
17. OLHE O TEMPO PASSANDO - Nana Caymmi
18. SE QUISERES CHORAR - Carlos Lyra
19. TOME CONTINHA DE VOCÊ - Izzy Gordon
20. SE É POR FALTA DE ADEUS - Áurea Martins

Raízes [e frutos] da MPB 07 - Adoniran Barbosa

Tenho um carinho especial por Adoniran Barbosa - foi com ele que aprendi a gostar de música. Eu não tinha oito anos ainda e, até hoje não sei como, comecei a gostar de Adoniran. Claro que o que primeiro me encantou foram os clássicos ("Saudosa maloca", nesta coletânea cantada de forma genial por João Bosco, "Trem das onze", em uma interpretação inusitada de Maria Gadu, e "Samba do Arnesto", em gravação clássica de Rita Lee)... e admito que, criança, sentia uma certa tristeza ao ouvir canções como "Acende o candeeiro" e "Já fui uma brasa" - o arranjo vocal e a melodia, por alguma razão, me punham melancólico.

Mas o tempo foi passando, fui adquirindo discos, CDs, lendo livros e hoje, posso dizer, conheço muita coisa deste compositor genial. Para esta coletânea usei muitas faixas dos memoráveis discos Adoniran Barbosa - O poeta do Bexiga e Adoniran - 100 anos, como o "Samba italiano", defentido pela ex-Trem da Alegria Patrícia Marx e "Aguenta a mão, João", sintomaticamente apresentada pelo grupo Fundo de Quintal, do primeiro; e "As mariposas", com a sempre debochada Mart'nália, do segundo. Também procurei gravações mais ousadas, justamente os casos das faixas interpretadas por Cida Moreira e Edson Cordeiro.

Como dizem alguns, Adoniran é o cronista de uma São Paulo que não existe mais. Que não existe mais na realidade, na concretude do cotidiano. Mas que continua existindo nas suas canções.

1. TIRO AO ÁLVARO - Diogo Nogueira
2. SAUDOSA MALOCA - João Bosco
3. PROVA DE CARINHO - Cida Moreira
4. IRACEMA - Beth Carvalho
5. TREM DAS ONZE - Maria Gadu
6. DESPEJO NA FAVELA - Edson Cordeiro
7. BOM DIA, TRISTEZA - Maria Bethânia
8. AGUENTA A MÃO, JOÃO - Fundo de Quintal
9. SAMBA DO ARNESTO - Rita Lee
10. AS MARIPOSAS - Mart'nália
11. TORRESMO À MILANESA - Marcelinho Moreira
12. VILA ESPERANÇA - Demônios da Garoa
13. SAMBA ITALIANO - Patrícia Marx
14. MULHER, PATRÃO E CACHAÇA - Quinteto em Branco e Preto
15. FICA MAIS UM POUCO AMOR - Demônios da Garoa
16. APAGA O FOGO, MANÉ - Martinho da Vila
17. ABRIGO DE VAGABUNDO - Clara Nunes
18. NÓIS VIEMO AQUI PRA QUÊ? - Adoniran Barbosa
19. UM SAMBA NO BEXIGA - Adoniran Barbosa
20. VÉSPERA DE NATAL - Marcos Sacramento

domingo, 18 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 06 - Lupicínio Rodrigues

Depois de dois dias sem postar (por conta de trabalhos a serem entregues, noites mal dormidas, prazos etc.), cá estou eu devolta, com o sexto volume da coleção que homenageia os maiores compositores da velha guarda da MPB. E, preparem-se, porque Lupicínio permitiu-me montar uma coletânea muito bonita (graças à quantidade imensa de gravações que suas obras receberam e seguem recebendo)... bem variada, bem surpreendente, com gente da antiga e da moderna, mas tudo com aquele acabamento quase desgraçado da maioria das suas composições.

Reparem bem na faixa "Exemplo", interpretada com maestria pelo grande Jards Macalé, que muitos não gostam de ouvir. Dispam-se dos preconceitos, ouçam com calma (reparem no arranjo) e vejam se, por trás da aura amalucada, não se esconde um ótimo cantor. Notem também o tom abolerado que Tânia Alves dá à já surrada "Vingança" - fica um clima de deboche no ar, mais leve, mais divertido. A faixa menos conhecida - mas que não chega a ser rara, diga-se a verdade - talvez seja "Esses moços", com Leny Andrade. E, me Deus, como ela canta bem! Desbancou nomes de peso, como Gilberto Gil. Destaque também para "Nunca", na voz da sublime Alaíde Costa, acompanhada pelo insubstituível piano de João Carlos Assis Brasil.

Como não queria deixar "Loucura" de fora e também como achava que a interpretação de Bethânia para "Ela disse-me assim" assim uma coisa divina, ousei juntar as duas gravações em um medley - desculpem-me os puristas; deleitem-se os bethanetes! E que se feche o disco com uma gravação inusitada de Rita Lee (com voz dobrada e tudo) para "Felicidade". Até a próxima!

1. NERVOS DE AÇO - Simone
2. SE ACASO VOCÊ CHEGASSE - Eduardo Canto
3. NUNCA - Alaíde Costa
4. VOLTA - Noite Ilustrada
5. FUGA - Altemar Dutra
6. ESSES MOÇOS - Leny Andrade
7. HÁ UM DEUS - Joanna
8. QUEM HÁ DE DIZER - Jussara Silveira
9. CASTIGO - Lupicínio Rodrigues
10. BRASA - Orlando Silva
11. MARIA ROSA - Elis Regina
12. JUDIARIA - Lupicínio Rodrigues
13. CADEIRA VAZIA - Andrea Pinheiro
14. VINGANÇA - Tânia Alves
15. FOI ASSIM - Elymar Santos
16. EXEMPLO - Jards Macalé
17. AVES DANINHAS - Dalva de Oliveira
18. ELA DISSE-ME ASSIM / LOUCURA - Maria Bethânia
19. UM FAVOR - Áurea Martins
20. FELICIDADE- Rita Lee

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 05 - Ataulfo Alves

Mais um volume da coleção Raízes [e frutos] da MPB! E mais um compositor genial da nossa MPB, talvez não tão reconhecido como merecesse, ou, pelo menos, não tão gravado quanto outros. Ataulfo é daqueles compositores que deixaram petardos musicais absolutamente inesquecíveis, enraízados até não poder mais no nosso imaginário. A Amélia, a mulata assanhada, o meu mensageiro e a cadência do samba já bastariam para dar a Ataulfo lugar no olimpo da MPB, mas, como se não bastasse tudo isso, ainda temos dezenas de outras lindas pérolas.

Como sempre, segui com rigor a lista de 14 músicas propostas pela versão da Folha, procurando versões menos banais, mais inusitadas. Para, depois, incluir mais seis faixas, também representativas da obra do compositor. Espero, novamente, que vocês gostem! E que continuem baixando e que indiquem o blog aos amigos!

1. AI, QUE SAUDADE DA AMÉLIA - Ataulfo Alves Jr.
2. MULATA ASSANHADA - Eduardo Dusek
3. VOCÊ PASSA, EU ACHO GRAÇA - Teresa Cristina
4. NA CADÊNCIA DO SAMBA - Cássia Eller
5. ATIRE A PRIMEIRA PEDRA - Demônios da Garola
6. LEVA MEU SAMBA - Sandra de Sá
7. DIA FINAL - Martinho da Vila
8. OH, SEU OSCAR - Os Cinco Crioulos
9. VAI, MAS VAI MESMO - Fabiana Cozza
10. EU UM QUÊ QUE A GENTE TEM - Carmen Miranda
11. E NÃO SOU DAQUI - Zélia Duncan
12. BONDE DE SÃO JANUÁRIO - Gilberto Gil
13. MAIS UM SAMBA POPULAR - Ataulfo Alves
14. ERREI, SIM - Paula Toller
15. SAUDADE DO MEU BARRACÃO - Ney Matogrosso
16. FÊNIX - Noite Ilustrada
17. INFIDELIDADE - Marcos Sacramento
18. MEUS TEMPOS DE CRIANÇA - Clara Nunes
19. FIM DE COMÉDIA - Angela Maria
20. LARANJA MADURA - Casuarina

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Raízes [e frutos] da MPB 04 - Pixinguinha

Se existe mesmo a decantada Santíssima Trindade do Samba, ao lado de Donga e João da Baiana, Pixinguinha é, por certo, o Espírito Santo. Porque sua música permeia tudo o que se faz no Brasil até hoje em termos de ritmo, harmonia, melodia, arranjo etc. Impressionante notar a influência deste compositor na nossa MPB! Ouçam esta coletânea e entendam o que eu quero dizer: tem as cartas iniciais de várias vertentes do samba (pagode, de breque, canção etc.), tem os primeiros passos dos arranjos mais contemporâneos, tem as diretrizes primeiras da nossa música mais inventiva... Gênio, para se referir a ele, é pouco!

Para este quarto volume da coleção, segui o princípio de sempre, procurando versões novas ou raras para as composições de Pixinguinha. Daí que consegui juntar, em um mesmo disco, nomes bastante variados, como Quarteto em Cy, Marisa Gata Mansa e Elba Ramalho (esta novamente com uma gravação rara, inédita em CD), sem deixar de lado os previsíveis e onipresentes - em se tratando de choro - Época de Ouro, Dilermando Reis e Altamiro Carrilho. Beixem, ouçam, divirtam-se!

1. VOU VIVENDO - Cristina Buarque e Sérgio Ricardo
2. UM A ZERO - Zé Renato
3. OS OITO BATUTAS - Zé da Velha e Silvério Pontes
4. SOFRES PORQUE QUERES - Época de Ouro
5. LAMENTO - MPB-4 e Chico Buarque
6. YAÔ - Dudu Nobre
7. SAMBA DO URUBU - Quarteto em Cy
8. PATRÃO, PRENDA SE GADO - Fundo de Quintal
9. NAQUELE TEMPO - Altamiro Carrilho
10. A VIDA É UM BURACO - Carlos Malta
11. ROSA - Elba Ramalho
12. COCHICHANDO - Emílio Santiago
13. CARINHOSO - Marisa Monte e Paulinho da Viola
14. URUBATAN - Dilermando Reis
15. INGÊNUO - Marisa Gata Mansa
16. BENGUELÊ - João Bosco
17. GAVIÃO CALÇUDO - Sombrinha
18. FALA BAIXINHO - Elizeth Cardoso
19. PÁGINA DE DOR - Ney Matogrosso
20. MUNDO MELHOR - Vinicius de Moraes, Clara Nunes e Toquinho