sábado, 22 de agosto de 2009

A morte de um gigante

Foi tirado do ar esta semana, por determinação de forças superiores, um dos blogs mais importantes da MPB, o já saudoso Um que tenha. É uma pena! E vai fazer muita falta!

Para quem não o conhecia, o blog era um espaço de divulgação musical, em que diariamente se postavam discos de MPB, de samba, de pop e de outros gêneros afins. Mas o forte mesmo do UQT era a MPB. E como era bom, a cada noite, encontrar três, quatro e às vezes cinco discos novinhos para baixar! Imagino o trabalho que isso dava ao dono do blog e, daí, suponho sua paixão pela música, sua vontade de divulgar a MPB e sua generosidade. Sim, porque - a gente sabe - muitos dos que têm acervos imensos e ricos procuram preservar isso ao máximo, sonegando informação, recusando compartilhamentos, evitando a troca.

E esse seja talvez o maior engano por que esteja passando a MPB. É que a troca de músicas pela internet só faz bem à música! O que é muito simples de se comprovar. O problema que esse tipo de troca traz afeta penas uma parte do cenário todo: as gravadoras. E são elas as que menos estão sabendo lidar com a contemporaneidade e com tudo o que vem junto com isso. Acostumadas a ganhar muito dinheiro com vendas de discos em quantidades assustadoras - há alguns anos, era comum um disco vender um, dois ou até três milhões de cópias -, elas não sabem mais como lucrar e manter as estruturas que tinham (grandes elencos variados, muitos arranjadores renomados, imensas orquestras sofisticadas, caros estúdios bem equipados, luxo para seus artistas e opulência para seus diretores etc.). Se, em vez de se preocupar em "vender disco" (produto concreto, tangível, de plataforma material e quantificável), as gravadoras tivesse por missão "vender música" (algo a ser fruído, imaterial, sensível e imensurável), talvez hoje elas estivessem sabendo enfrentar melhor essa mudança drástica por que passam as mídias, as artes, as formas de comunicação e os modos de fruição artística.

O blog Um que tenha era um dos maiores divulgadores de MPB que se possa imaginar, expondo a um público imenso e variado artistas que, sem a internet, nunca chegariam além de seus recantos de origem! E nem é o caso de se defender a manutenção dos blogs com o argumento de que, depois de ter baixado e gostado de um determinado disco, muitas pessoas compravam o mesmo nas lojas. Isso de fato acontece muito, mas não é isso o que deve garantir a existência dos espaços de compartilhamento musical na internet. Porque não é mais da compra de discos que vai viver a MPB de hoje e de amanhã.

O que o UQT e os vários outros blogs de MPB (que ainda existem ou que foram extintos), como o sofisticado Música da boa, o inesquecível Som barato, o abrangente WorldVix, o persistente Fera MP3, o imenso Sapo Downloads, fizeram pela nossa música em termos de divulgação, gravadora nenhuma fez ou fará! E é uma perda imensa (e, pior, talvez irreversível) para a música brasileira a extinção de espaços como esses. Porque nunca se escutou e se fez tanta música quanto hoje! Ande na rua e preste atenção às pessoas ao seu redor. Quantas delas estão com um fone preso e ligado ao ouvido? Muitas! E o que elas escutam? O que lhes surgir com mais facilidade! É assim, então, que a MPB vai perdendo espaço para outros estilos menos conservadores e retrógrados, como o pop, o funk e, sobretudo, o eletrônico.

Já faz tempo que a música eletrônica sem querer nos ensina a importância da divulgação via internet. DJs profissionais e renomados põem na rede seus remixes, em diversas versões, umas mais curtas, outras mais longas. DJs amadores também distribuem via net suas experiências musicais - quase sempre releituras eletrônicas de músicas famosas, de outros estilos ou de outros DJs. E tudo isso de forma desordenada, randômica, não-linear, anti-cartesiana, múltipla, fluida, líquida... tal qual manda a contemporaneidade! E, enquanto isso, a MPB, presa por si própria em um modelo comercial antigo e ultrapaassado, se preocupa em fechar canais de distribuição e divulgação musical.

Deixem que a música corra solta pela internet, pelos celulares, pelos iPods e por onde mais for possível! Não faz mais sentido a ideia de só se poder ouvir música a partir de uma plataforma física, com uma determinada quantidade de faixas dispostas em uma certa ordem! Foi-se o tempo! Isso já era! O tempo agora é o das faixas soltas, das músicas que se bastam, das coletâneas, das playlists, do shuffle e do customizado! Que a MPB perceba logo onde está o erro e deixe trabalhar gente como os proprietários de blogs, que gastam tempo, energia e dedicação para simplesmente espalhar a música por aí.

O fim do UQT é um marco na história da troca de músicas pela internet. É sinal de que a indústria da música - isso ainda existe? - anda para trás, se fecha às novidades, prefere a teimosia e a ignorância dos que se percebem ameaçados, recusa o futuro (como se isso fosse possível) e, nesse caminhar de carangueijo, vai minando a si mesma, como quem quer acabar com a própria espécie!

Eu lamento profundamente...

4 comentários:

contatos imediatos disse...

Rapaz, mandou ver na oratória, gostei muito!

Olha só, eu sou um dos tais que JAMAIS deixo de adquirir um trabalho de um artista por conta de algo que baixei na internet! Costumo dizer que não suporto a palidez dos cd´s virgens ou a informalidade dos aparelhos de mp3 (embora os use quando conveniente)...

Na internet, entre os blogs sérios que compartilham música (como o seu, por exemplo), temos um mundo de possibilidade, porém, o mais importante é desfrutar da preciosa informação comumente agragada a essas iniciativas... aqui mesmo no MPBruno já me senti extremamente tentado - e vou - a adquirir vários cd´s apresentados, que até então eram novidade pra mim(como Aline Calixto e Maria Gadu). Agradeço a você pelas dicas.
.
Pior que os potenciais "prejuízos" que os verdadeiros amantes da música possam causas as MEGA GRAVADORAS, são as incontáveis barraquinhas de cd´s e dvd´s piratas, enriquecendo as custas de outros, COMERCIALIZANDO música, lucrando em cima do prejuízo dos outros.

Pergunto: porque isso incomoda menos? Sim, porque ninguém se manifesta! A arte nas ruas é tratada de forma extremamente banal, trabalhos elaborados com profissionalismo e pérolas da MPB são trocadas por ninharias (o que é infinitamente mais humilhante que o compartilhamento virtual).

Elevo seu depoimento a categoria de GRANDE VERDADE... são sábias palavras que deveriam ecoar pelos corredores de grandes gravadoras, invadir estúdios e principalmente gabinetes de grandolas desse mercado decadente...

Bem, acho que sintetizei minha opinião como pude!
Abraços.
Apolinário Júnior.

Bruno disse...

Apolinário, fico muito feliz com um comentário assim tão sério e sensato! Eu criei meu blog porque acho que é o que eu poderia fazer pela preservação da MPB. Obrigado pelos acessos e pelo incentivo!

Abraço!!!

Peaga disse...

Uma grande perda mesmo, era um dos blogs que eu entrava quase todo dia.

Carl disse...

Realmente uma grande perda... A MPB está de luto...