quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Discos comprados 07

Ai, meu Deus! E já tem gente reclamando do ritmo mais lento das postagens... Volto a explicar: é que estou trabalhando muito e, por isso, me sobra menos tempo para o blog. Continuo adorando compartilhar minhas coletâneas, divulgar meus artistas preferidos, montar discos etc. Só que preciso trabalhar, para ter dinheiro para comprar os discos, não é mesmo, minha gente? Falando em comprar discos, os dias têm sido de muitos lançamentos. Lá seguem mais quatro!

PRA SE TER ALEGRIA - AO VIVO NO RIO - Roberta Sá - Nunca neguei: Roberta é, das novas, a minha preferida. Canda lindamente, tem um repertório ao mesmo tempo moderno (sem ser modernoso) e tradicional, se cerca de músicos excepcionais e tem uma simpatia sedutora. Seus discos de estúdio são sensacionais, desses que a gente tem vontade de escutar inteiro, sem pular faixa nenhuma. Só que, por ser um retrospecto de seus trabalhos anteriores, o show registrado ao vivo em CD e DVD não consegue ser assim tão sensacional... porque a maioria das faixas todo mundo já conhece. Claro, tem (muita) gente que vai comprar o disco justamente por isso, mas que é gostoso ouvir coisas novas, ah, isso é! As únicas faixas inéditas do disco são os sambas "Agora sim" e "Samba do balanço", sendo que o primeiro é incomparavelmente melhor que o segundo. Como bônus, o disco traz quatro gravações de estúdio, com participações especiais de Chico Buarque, Ney Matogrosso, António Zambujo, Ymaandú Costa e do Trio Madeira Brasil.

ELAS CANTAM ROBERTO CARLOS - Vários artistas - Não há necessidade de explicar de que disco se está falando, né? O duro foi selecionar apenas cinco faixas para esta coletânea que tem ares de amostra grátis. Optei simplesmente por incluir alguns dos números que mais me agradaram no show - vi pela TV e não no Theatro Municipal, infelizmente. E quero comentar aqui dois pontos importantes. O primeiro é a respeito do acabamento físico do disco... que coisa bem cuidada! Não, não temos ousadias. Não, não temos verniz, faca ou nada do gênero. Temos apenas um disco duplo, caprichado, com tudo bem simples (como costuma acontecer nos discos do Rei)... Mas em volume farto (são dois encartes, um para cada volume): com muitas páginas, todas cheias de fotos bem tiradas, com muitas informações etc. E quero comentar também a qualidade do som do disco (duplo, por sinal). Como pode, ainda hoje, com tanta tecnologia a favor, um registro ao vivo trazer falhas na captação? Pior: a captação do áudio ficou a cargo da Rede Globo e, talvez por isso mesmo, o som não esteja em níveis excelentes! Sem falar nos cortes abruptos, nos aplausos sobrepostos etc... mas vale o registro desse momento histórico, lindo e emocionante!

CANTANDO ROBERTO RIBEIRO - Leandro Sapucahy - Os tributos em forma de disco geralmente homenageiam compositores (Fulano canta Noel, Beltrano canta Chico, Sicrano canta Caymmi etc.), restando raras as vezes em que um intérprete recebe tal tipo de homenagem. Só que Roberto Ribeiro era tão cheio de personalidade, tinha um timbre tão encantador, defendia um repertório tão coeso, que faz sentido que o jovem e badalado Leandro Sapucahy devote ao mestre um disco-tributo. Os arranjos são bastante honestos, deixando claro que se trata de um disco de samba, sem firulas, sem vontades de inventar, sem nada a mais ou a menos. O repertório, claro, é perfeito, juntando sucessos óbvios de Roberto (como "Acreditar", "Todo menino é um rei" e "Meu drama") a composições menos conhecidas (casos de "Tempo é" e "Propagas"). Só que Leandro não tem a voz que tinha o homenageado e, em alguns momentos, se for feita a comparação, chega-se a pensar em como seria bom se fossem relançados os discos do próprio Roberto Ribeiro... Então é assim: o novo disco de Leandro é muito bom! Dá para ouvir, cantar, apreciar mesmo. Mas ele serve, antes de tudo, para lembrar e fazer ouvir o grande cantor que foi Roberto Ribeiro.

ROMANCE VOL. II - Marisa Orth - A inteligência, o humor, a ironia, o deboche e a perspicácia, características marcantes da atriz Marisa Orth, aparecem também no seu lado cantora. Aliás, nem dá para separar exatamente uma coisa da outra. Cantando, Marisa não deixa de interpretar - no que acerta, já que voz propriamente dita ela não tem. O que ela tem são músicas quase sempre divertidas e dramáticas e uma banda que lhe sustenta bem. E - deve ser dito - um material gráfico de primeira linha, feito pelo extraordinário Gringo Cardia. Embora o clima sugerido pela capa e pelo encarte remeta inevitavelmente a um ambiente de boate, de glamour, de hotel chique, de cabaré, não esperem por uma crooner tradicional, dessas de voz pesada e sedutora. Esperem, isso sim, por um disco quase pop, mas com momentos de profunda criatividade!

1. MAMBEMBE - Roberta Sá e Chico Buarque
2. VOCÊ NÃO SABE - Hebe Camargo
3. ESTRELA DE MADUREIRA - Leandro Sapucahy
4. INSANIDADE TEMPORÁRIA - Marisa Orth
5. PEITO VAZIO - Roberta Sá e Ney Matogrosso
6. PROPOSTA - Zizi Possi
7. ACREDITAR - Leandro Sapucahy
8. LAMA - Marisa Orth
9. EU JÁ NÃO SEI - Roberta Sá e António Zambujo
10. SUA ESTUPIDEZ - Alcione
11. VAZIO - Leandro Sapucahy
12. DEMAIS - Marisa Orth
13. MODINHA - Roberta Sá e Yandú Costa
14. DESABAFO - Fafá de Belém
15. INGENUIDADE - Leandro Sapucahy
16. I'M NOT IN LOVE - Marisa Orth
17. AGORA SIM - Roberta Sá
18. AS CURVAS DA ESTRADA DE SANTOS - Paula Toller
19. MEU DRAMA - Leandro Sapucahy
20. AS DORES DO MUNDO - Marisa Orth

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/129798879/f90cf300/Discos_comprados_07_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Clara do folclore

Já faz tempo que recebo pedidos para criar um disco reunindo canções da Clara Nunes. Só me faltava uma ideia, um conceito ou um padrão estético que pudesse dar unidade às faixas, quando um amigo percebeu e disse assim: me arruma umas faixas de Clara que tenham bastante batucada? Pronto! Juntei algumas faixas com percussão pesada a outras que falam de orixás; misturei ritmos baianos com samba carioca; embolei religiões e aí está a coletânea! Tem vários sucessos da cantora, desses que todo mundo sabe cantar junto, mas tem também algumas faixas menos conhecidas - mas igualmente lindas e emocionantes.

Procurei, de alguma forma, cobrir a discografia completa de Clara, pinçando pelo menos uma faixa de cada disco. Mas alguns dos seus primeiros discos acabaram ficando de fora, pelo fato de seguirem um padrão musical muito distante daquele que predominou nos trabalhos seguintes de Clara, muito mais próximos ao estilo de gravação que eu buscava para a coletânea. Espero que gostem e que possam se deleitar ao som dessa grande intérprete, que saiu de cena precocemente, deixando saudades profundas e uma lacuna na MPB impossível de ser preenchida. Embora sempre surjam Marienes, Fabianas, Alines, Teresas e Robertas... todas elas com um pouquinho de Clara: seja na voz, no cabelo, no gingar ou no repertório! Salve a guerreira imortal!

1. TRIBUTO AOS ORIXÁS (1972) - Do disco Clara Clarice Clara
2. BANHO DE MANJERICÃO (1979) - Do disco Esperança
3. O MAR SERENOU (1975) - Do disco Claridade
4. DEIXA CLAREAR (1981) - Do disco Clara
5. A DEUSA DOS ORIXÁS (1975) - Do disco Claridade
6. NA LINHA DO MAR (1979) - Do disco Esperança
7. SENHORA DAS CANDEIAS (1977) - Do disco As forças da natureza
8. CONGADA (1981) - Do disco Clara
9. SINDORERE (1974) - Do disco Alvorecer
10. MISTICISMO DA ÁFRICA AO BRASIL (1971) - Do disco Clara Nunes
11. COROA DE AREIA (1981) - Do disco Clara
12. NANAÊ, NANÃ NAIANA (1974) - Do disco Alvorecer
13. CONTO DE AREIA (1974) - Do disco Alvorecer
14. CANTO DAS TRÊS RAÇAS (1976) - Do disco Canto das três raças
15. IJEXÁ (1982) - Do disco Nação
16. CANDONGUEIRO (1978) - Do disco Guerreira
17. AFOXÉ PRA LOGUN (1982) - Do disco Nação
18. FUZUÊ (1976) - Do disco Canto das três raças
19. BRASIL MESTIÇO, SANTUÁRIO DA FÉ (1971) - Do disco Clara Nunes
20. JOGO DE ANGOLA (1980) - Do disco Brasil mestiço
21. MÃE ÁFRICA (1982) - Do disco Nação
22. ZAMBELÊ (1978) - Do disco Guerreira
23. EMBALA EU (com Clementina de Jesus) (1976) - Do disco Canto das três raças
24. PUXADA DA REDE DO XARÉU (1971) - Do disco Clara Nunes

Link para download: http://www.4shared.com/file/128040044/24d55a94/Clara_do_folclore_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

domingo, 23 de agosto de 2009

Discos comprados 06

Três grandes nomes da MPB lançaram discos praticamente ao mesmo tempo e chegou a hora de comentar brevemente cada um desses discos! Entra na dança também uma cantora bem menos conhecida, mas de talento imenso. Vem comigo!

NA VEIA - Simone - De casa nova, gravando agora pela Biscoito Fino, Simone parece estar renovada, conseguindo manter laços com seu coerente passado. Se renova ao gravar músicas inéditas de compositores contemporâneos ou em plena atividade, como Adriana Calcanhotto, Paulo Padilha, Erasmo Carlos e Marina Lima. E se mantém fiel às suas próprias tradições ao regravar Gonzaguinha, Martinho da Vila e Paulinho da Viola. Se a lista de compositores é de peso, o rol dos arranjadores não deixa por menos: Rildo Hora, Nelson Ayres, Julinho Teixeira e Luis Brasil criam um clima especialmente elgante para Simone soltar a voz... que continua volumosa, precisa e sedutora! Vale a pena ouvir com calma as releituras que a Cigarra criou para canções até um tanto batidas, como a latinizada "Geraldinos e Arquibaldos", o samba perfeito "Ame" e o sucesso popular "Deixa eu te amar", sempre associada ao seu intérprete original, Agepê. E vale a pena mais ainda prestar atenção à linda canção "Migalhas", de letra confessional e melodia envolvente. Ah! Foi para este disco que Simone gravara "Sou eu", composição nova de Chico Buarque e Ivan Lins, que depois foi dada a Diogo Nogueira e Simone ficou impedida de gravar. Seria legal comparar as duas versões, mas - quer saber? - não fez falta nenhuma no disco!

ACESA - Alcione - A cada novo disco da Marrom, um novo cabelo, novas unhas e... mais do mesmo derramado romantismo, do mesmo envolvente samba, das mesmas lindas surpresas. Mesmo mudando de gravadora, Alcione se mantém a mesma: sempre rodeada de ótimos músicos, sempre abastecida por compositores que sabem bem o que lhe cabe à voz, sempre impressionando pela voz potente e pelas interpretações emocionantes. Se a gente for comparar o disco atual com os anteriores, dá para notar que a Marrom está um pouco menos romântica e populista, mais chegada ao samba e aos ritmos dançantes. Bom sinal! Sinal de renovação!

NOVE - Ana Carolina - Outra cantora que está se renovando, procurando se manter fiel a si mesma. Ficam as baladas, o tom levemente roqueiro, a voz poderosa e o material gráfico bem cuidado. Saem os apelos populistas e os exageros vocais. Destaque para as participações especiais gringas, que dão um ar mais sofisticado e pop ao trabalho. É uma pena que tenham diminuído um pouco a qualidade harmônica das melodias e a sofisticação das letras. Mas a participação de Gilberto Gil na autoria de uma das composições e a produção bem marcante do disco compensam.

ALMA CABOCLA - Ana Salvagni - O disco foi lançado em 2008, mas só agora decidi comprá-lo. E valeu cada centavo! Ana é uma grande cantora, de voz aguda e notas precisas, que dedicou seu disco mais recente ao cancioneiro de Hekel Tavares. E é muito bom ver um compositor assim tão importante quanto esquecido ganhar um tributo caprichado. Obras imortais estão no disco, como "Você" (que todos conhecem por causa das penas do tiê), "Sussuarana" e "Guacyra". Mas teve espaço também para composições menos conhecidas, mas igualmente lindas, como "Dedo mindinho". Destaque ainda para os arranjos do disco, especialmente delicados e bem construídos... grandes músicos participam, emprestando a Ana e aos ouvintes todo seu virtuosismo e brilhantismo.

1. MIGALHAS - Simone
2. EU NÃO DOMINO ESSA PAIXÃO - Alcione
3. 10 MINUTOS - Ana Carolina
4. DEDO MINDINHO - Ana Salvagni
5. GERALDINOS E ARQUIBALDOS - Simone
6. O SAMBA ME CHAMOU - Alcione
7. ENTREOLHARES (THE WAY YOU'RE LOOKING AT ME) - Ana Carolina e John Legend
8. SUSSUARANA - Ana Salvagni9. PAGANDO PRA VER - Simone
10. ACESA - Alcione
11. RESTA - Ana Carolina e Chiara Civello
12. VOCÊ - Ana Salvagni
13. AME - Simone
14. NAIR GRANDE - Alcione
15. TORPEDO - Ana Carolina
16. GUACYRA - Ana Salvagni
17. DEIXA EU TE AMAR - Simone
18. SINUCA DE BICO - Alcione
19. TRAIÇÃO - Ana Carolina
20. CASA DE CABOCLO - Ana Salvagni

sábado, 22 de agosto de 2009

A morte de um gigante

Foi tirado do ar esta semana, por determinação de forças superiores, um dos blogs mais importantes da MPB, o já saudoso Um que tenha. É uma pena! E vai fazer muita falta!

Para quem não o conhecia, o blog era um espaço de divulgação musical, em que diariamente se postavam discos de MPB, de samba, de pop e de outros gêneros afins. Mas o forte mesmo do UQT era a MPB. E como era bom, a cada noite, encontrar três, quatro e às vezes cinco discos novinhos para baixar! Imagino o trabalho que isso dava ao dono do blog e, daí, suponho sua paixão pela música, sua vontade de divulgar a MPB e sua generosidade. Sim, porque - a gente sabe - muitos dos que têm acervos imensos e ricos procuram preservar isso ao máximo, sonegando informação, recusando compartilhamentos, evitando a troca.

E esse seja talvez o maior engano por que esteja passando a MPB. É que a troca de músicas pela internet só faz bem à música! O que é muito simples de se comprovar. O problema que esse tipo de troca traz afeta penas uma parte do cenário todo: as gravadoras. E são elas as que menos estão sabendo lidar com a contemporaneidade e com tudo o que vem junto com isso. Acostumadas a ganhar muito dinheiro com vendas de discos em quantidades assustadoras - há alguns anos, era comum um disco vender um, dois ou até três milhões de cópias -, elas não sabem mais como lucrar e manter as estruturas que tinham (grandes elencos variados, muitos arranjadores renomados, imensas orquestras sofisticadas, caros estúdios bem equipados, luxo para seus artistas e opulência para seus diretores etc.). Se, em vez de se preocupar em "vender disco" (produto concreto, tangível, de plataforma material e quantificável), as gravadoras tivesse por missão "vender música" (algo a ser fruído, imaterial, sensível e imensurável), talvez hoje elas estivessem sabendo enfrentar melhor essa mudança drástica por que passam as mídias, as artes, as formas de comunicação e os modos de fruição artística.

O blog Um que tenha era um dos maiores divulgadores de MPB que se possa imaginar, expondo a um público imenso e variado artistas que, sem a internet, nunca chegariam além de seus recantos de origem! E nem é o caso de se defender a manutenção dos blogs com o argumento de que, depois de ter baixado e gostado de um determinado disco, muitas pessoas compravam o mesmo nas lojas. Isso de fato acontece muito, mas não é isso o que deve garantir a existência dos espaços de compartilhamento musical na internet. Porque não é mais da compra de discos que vai viver a MPB de hoje e de amanhã.

O que o UQT e os vários outros blogs de MPB (que ainda existem ou que foram extintos), como o sofisticado Música da boa, o inesquecível Som barato, o abrangente WorldVix, o persistente Fera MP3, o imenso Sapo Downloads, fizeram pela nossa música em termos de divulgação, gravadora nenhuma fez ou fará! E é uma perda imensa (e, pior, talvez irreversível) para a música brasileira a extinção de espaços como esses. Porque nunca se escutou e se fez tanta música quanto hoje! Ande na rua e preste atenção às pessoas ao seu redor. Quantas delas estão com um fone preso e ligado ao ouvido? Muitas! E o que elas escutam? O que lhes surgir com mais facilidade! É assim, então, que a MPB vai perdendo espaço para outros estilos menos conservadores e retrógrados, como o pop, o funk e, sobretudo, o eletrônico.

Já faz tempo que a música eletrônica sem querer nos ensina a importância da divulgação via internet. DJs profissionais e renomados põem na rede seus remixes, em diversas versões, umas mais curtas, outras mais longas. DJs amadores também distribuem via net suas experiências musicais - quase sempre releituras eletrônicas de músicas famosas, de outros estilos ou de outros DJs. E tudo isso de forma desordenada, randômica, não-linear, anti-cartesiana, múltipla, fluida, líquida... tal qual manda a contemporaneidade! E, enquanto isso, a MPB, presa por si própria em um modelo comercial antigo e ultrapaassado, se preocupa em fechar canais de distribuição e divulgação musical.

Deixem que a música corra solta pela internet, pelos celulares, pelos iPods e por onde mais for possível! Não faz mais sentido a ideia de só se poder ouvir música a partir de uma plataforma física, com uma determinada quantidade de faixas dispostas em uma certa ordem! Foi-se o tempo! Isso já era! O tempo agora é o das faixas soltas, das músicas que se bastam, das coletâneas, das playlists, do shuffle e do customizado! Que a MPB perceba logo onde está o erro e deixe trabalhar gente como os proprietários de blogs, que gastam tempo, energia e dedicação para simplesmente espalhar a música por aí.

O fim do UQT é um marco na história da troca de músicas pela internet. É sinal de que a indústria da música - isso ainda existe? - anda para trás, se fecha às novidades, prefere a teimosia e a ignorância dos que se percebem ameaçados, recusa o futuro (como se isso fosse possível) e, nesse caminhar de carangueijo, vai minando a si mesma, como quem quer acabar com a própria espécie!

Eu lamento profundamente...

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O novo disco de Simone

Na veia, o novo disco da Simone, recém chegado às lojas, é bom? Não! E já vou explicar porque acho isso!

É que, quando vamos a uma loja (na rua, no shopping, na galeria, ou na internet) para comprar um disco e decidimos pagar por ele o preço estipulado, estamos comprando não apenas o som que sai do disco. Não! Estamos comprando um pacote completo, que inclui as músicas do disco e também seu material gráfico - capa, contra-capa, encarte, luva etc. E, se o novo disco da Simone tem uma sonoridade elegante, arranjos inspirados, repertório sofisticado e nele a Cigarra está cantando lindamente, o material gráfico correspondete é PÉSSIMO!

Parece que as gravadoras - e a própria Simone - não aprenderam nada com a pirataria, com a troca de músicas pela itnernet (não, não são a mesma coisa) e, sobretudo, com os mestres do passado. Dorival Caymmi, César Villela, Elifas Andreato e Rogério Duarte são nomes marcantes na história das capas dos discos e todos ele nos ensinaram - cada um à sua maneira - que a capa deve reproduzir visualmente o conteúdo musical do disco. Seguindo esse mesmo princípio, pautando-se pela embalagem, dá para supor que a música que o disco novo da Simone traz são de baixa qualidade, mal cuidadas e marcadas pelo desleixo. Porque estou para ver uma capa e um encarte tão precários. As fotos da capa e da contracapa sequer estão bem focadas. O encarte se limita a ser burocrático, sem qualquer diferencial de bom gostou ou ousadia.

Maria Bethânia, Ney Matogrosso, Ana Carolina, Daniela Mercury e tantos outros artistas - da MPB e de outros gêneros - são ótimos exemplos de como valorizar um disco por meio do material gráfico, criando um diferencial relevante com relação aos discos vendidos em camelôs (estes, sim, piratas) e às músicas trocadas na internet... ambos sem nenhum tipo de material gráfico. Interessante notar, portanto, a falta de coerência da gravadora Biscoito Fino. Os discos de Bethânia que saem pela casa são sempre visualmente caprichados, com fotos bem tiradas, designers de renome (salve Gringo Cardia) e farta informação ao consumidor. Já o disco de Simone, que também saiu pela Biscoito Fino, veio envolto nessa pobreza toda. Se a ideia era economizar, por que um preço tão caro pelo disco?

Seja da responsabilidade de quem for - do artista ou da gravadora - é fundamental que se prime pelo apuro visual nos discos ora lançados! Nos dias atuais, em que jorram pela internet discos inteiros antes mesmo das torneiras oficiais e enferrujadas das gravadoras tê-los lançado, o material gráfico de um disco é seu único diferencial! E atire o primeiro digipack quem nunca comprou um disco que já tinha baixado da internet apenas pelo prazer de ter em mãos um encarte bem caprichado e de bom gosto.

O novo disco da Simone, Na veia, é sensacional! A cantora está em plena forma, rodeada de arranjadores e músicos extraordinários, entoando canções belíssimas! Mas a capa, não me canso de dizer, é horrível!

Grande abraço a todos! E comentem!

sábado, 15 de agosto de 2009

Julho 2009

Queridos amigos visitantes,

Infelizmente não tenho conseguido manter a frequência das postagens aqui no blog. Não, não estou cansado disso tudo! Não, não faltam músicas e lançamentos na MPB. Apenas voltaram as aulas e eu, como professor, volto a ter muito mais atividades a cumprir. Mas não quero abandonar este espaço privilegiado e, portanto, vou publicar pelo menos uma coletânea por semana. Espero que estejam todos gostando dos dicos que eu preparo (a quantidade de downloads me indica que sim) e que continuem frequentando o espaço, sugerindo artistas, comentando os discos, fazendo críticas, divulgando aos amigos etc. A coletânea de hoje é mais uma das coletâneas que faço mensalmente, com alguns lançamentos do mês, algumas faixas que acabei conhecendo, outras gravações antigas que volto a escutar, entre uma pérola e outra. Baixem e ouçam!

Grande abraço!

1. VOU FICAR NUA PRA CHAMAR SUA ATENÇÃO - Simone - Faixa gravada pela Cigarra para seu disco Seda pura, mas vetada na última hora por Roberto Carlos, compositor da canção ao lado de Erasmo Carlos. A elegância do arranjo e a voz classuda de Simone dão um irresistível toqe de requinte.

2. ALTAR PARTICULAR - Maria Gadú - É de dar alegria quando a gente vê que a MPB continua dando frutos. Mais ainda quando o fruto é assim polpudo e suculento: compositora sensível e cantora requintada, reunidas em uma só artista. O fruto parece Marisa Monte? Sim! Mas há uma semente de personalidade! Viva a novidade!

3. CHUVA - Dorina - Paulinho da Viola como compositor é garantia de sofisticação nas notas e nas palavras. E Dorina ao microfone é a certeza de boa interpretação e fidelidade ao samba tradicional. É sempre bom lembrar um sambão gostoso como este, em uma gravação tão linda!

4. FEITICEIRA - J. Velloso - O sobrinho de Caetano e Bethânia em mais uma das suas composições. Como de costume, a melodia não traz nada de muito inovador, mas a faixa consegue seduzir pela simplicidade e, sobretudo, pela letra bem construída e o arranjo bem formado.

5. REGRA DO AMOR - Fagner - A MPB de vez em quando passa por umas ondas de renovação que, depois, se revelam marolinhas. Eu adoro quando voltam as ondas realmente grandes, das melodias bem alicerçadas e das letras com sentido claro, em vozes importantes, como a de Fagner.

6. CRIME PASSIONAL - Filipe Catto - É um homem que está cantando, sim! E, se o mestre Cauby parte do princípio de que artista não tem sexo, vale comentar apenas o lindo timbre deste cantor, o arranjo envolvente e a canção, também muito bonita! Que venham na MPB mais intérpretes homens!

7. QUEM SABE ISSO QUER DIZER AMOR - Bruna Caram - Como já comentado em post anterior, o disco mais recente de Bruna é composto por altos e baixos: algumas faixas são um pouco cansativas e sem tanta criatividade, enquanto outras são bastante fortes e tocantes. É o caso desta aqui, de melodia crescente e letra romântica.

8. UN VESTIDO Y UN AMOR - Mercedes Sosa - A voz pesada e a interpretação arrebatadora da cantora argentina são apenas uma parte do que surpreende nesta faixa. A melodia e a letra são também extremamente comoventes e podem facilmente fazer chorar. Ouçam com cuidado.

9. SINFONIA IMORTAL - Nelson Sargento - Se a melodia deste samba não chega a ser um exemplo de criatividade ou inventividade, a letra deixa de lado qualquer chance de se desabonar a obra. É que Nelson caprichou e, para falar da relação de duas pessoas que se amam, usa o universo da música erudita de maneira tão surpreendente quanto delicada.

10. CONDENADOS - Walter Bandeira - Cantor paraense de voz grave, Walter tem a experiência de vida impressa na voz. A emoçam bem dosada e o tom bem escolhido fazem par com o arranjo elegante de piano solo. Quem não se lembra, esta música fez sucesso na voz de Simone na década de 70.

11. VEM QUE A LUA ILUMINA - Fábio Luna - E a Lapa carioca continua jorrando talentos! Vem aí de disco novo o jovem Fábio, num samba bem sacudido, de letra pouco criativa, mas de levada absolutamente envolvente. Impossível ficar parado diante desta gravação!

12. CERTEZA DE NADA - Ney Matogrosso - Participação (sempre brilhante) de Ney no disco Parceria, dos músicos Guilherme Vergueiro e Paulinho Lima. Destaque para a impressionante habilidade do intérprete, que percorre bem as sinuosas inhas melódias da canção. E o clima de boate do arranjo contrasta bem com a letra ensolarada e romântica.

13. OS MAIS DOCES BÁRBAROS - Carlinhos Brown - A música composta por Caetano para o projedo Doces Bárbaros, de 1976, já era genial, tanto pela letra quanto pela melodia. Ela é recriada aqui por Brown, com um suingue e com um arranjo de percussão absolutamente sensacionais!

14. TÔ TE QUERENDO - Diogo Nogueira - O jovem sambista está melhorando aos poucos! Seu segundo disco, do qual esta faixa foi extraída, é bem superior ao primeiro. O samba aqui apresentado é bastante envolvente, com uma melodia deliciosa e uma letra simples, de muita sonoridade!

15. PELO SABOR DO GESTO - Zélia Duncan - Não é novidade na carreira de Zélia o costume de verter ao português canções que fizeram sucesso no estrangeiro. "Catedral" e "Então me diz" estão aí para confirmar isso. E Zélia, mais do que adaptar a letra, sabe como criar gravações interessantes, com arranjos novos e interpretação profunda. Eu adorei!

16. SUFOCO - Aline Silva - Mais uma nova cantora! E mais uma vez o samba dando as cartas! Aline se vale de um dos clássicos de Alcione para mostrar que sabe cantar e que sabe imprimir nas canções que grava alguma personalidade. A suavidade da voz da cantora consegue evidenciar a beleza da melodia desta canção.

17. ESTRADA DO SERTÃO - Cida Moreira - Notas de João Pernambuco com versos de Hermínio Bello de Carvalho e a interpretação emocionante e emocionada de Cida... que união maravilhosa! Os agudos bem definidos e os médios comovidos, precisamente casados com a melodia criativa, são os destaques desta faixa!

18. VALSA DO MEU SUBÚRBIO - Marcos Sacramento - Pela gravação é possível perceber que Marcos se mantinha mais agudo, cantando em tons mais elevados, talvez com receio de explorar os graves que hoje já ousa entoar. E a composição que aqui ele defende é de uma beleza ímpar... com uma singeleza e uma sofisticação simultâneas que só as valsas conseguem ter.

19. HELLO DETROIT - Daniel Boaventura - O ator que se destacou em musicais de produções gigantescas aparece aqui como crooner, interpretando um clássico americano. A faixa faz parte do seu disco recentemente lançado, só com canções do mesmo tipo. Para quem gosta (de standarts, orquestra e voz grave), é um prato cheio!

20. FADO PARTIDO - António Zambujo e Roberta Sá - A melhor cantora da nova geração da MPB participa da edição brasileira do disco do cantor português, dividindo com ele este lindo fado. A voz delicada e ao mesmo tempo forte de Roberta faz ótima combinação com o tom contido e grave de António. Agora é esperar o novo disco da cantora, em que o português retribui a participação.

21. DEIXA CLAREAR - Clara Nunes - Revirar a discografia de Clara é ter a certeza de encontrar pérolas finíssimas, atemporais, mas que andavam já esquecidas. Este samba - bem diferente da faixa homônima gravada por Zeca Pagodinho - é daqueles bem animados, de melodia empolgante e letra carinhosa, para ser cantado em voz e tons altos! Salve Clara!

22. RETRATO DA DESILUSÃO - Aline Calixto - Poucos sambistas conseguem impor sua marca registrada nos sambas que compões. Monarco (companhado dos seus parceiros habituais) é um que sempre sabe como deixar claro que se trata de um samba seu. Melodia e letra inconfundíveis! E a jovem cantora, Aline, é só festa na voz!

23. MARIA BETHÂNIA - Maria Bethânia - Esta faixa talvez seja uma das mais raras da discografia de Bethânia. Foi gravada em 1987 para o disco Há sempre um nome de mulher, lançado em promoção do Banco do Brasil. E, depois, o fonograma só apareceu novamente na coletânea Clássicos, de distribuição relativamente restrita.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/125279608/5b355a98/2009_-_07_-_Julho_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Nana Especial

Quem achava que Nana ia ficar de fora da série Especial se enganou! Ela chegou e chegou com tudo! Com sua voz superlativa, seu canto hiperbólico e seu jeito desmedido, Nana conquistou um espaço privilegiado na MPB. Não é artista de gravar discos em sequência (como Bethânia), tampouco de fazer shows a toda hora (como Ney). Mas tudo o que Nana decide fazer fica com a sua marca pessoal de grande passionalidade, profunda intensidade e absoluta sensibilidade. É que a filha mais velha de Dorival Caymmi parece não saber conter seus sentimentos e acaba expondo, na hora em que solta a voz, todos os seus fortes sentimentos. Sorte nossa, que se delicia com as maravilhosas interpretações de Nana. A coletânea de hoje procura reunir as faixas dispersas da cantora, retiradas de discos coletivos, songbooks, trilhas sonoras etc. E vai chamar a atenção justamente o estilo um pouco mais contido da artista nas faixas aqui reunidas. É como se Nana se esforçasse para baixar o tom em algumas das interpretações que fez e faz como convidada de discos que não são seus. Mas de repente reaparecem seus rompantes e volta a Nana de sempre, rasgando o coração, cantando com a alma, sendo a grande intérprete a que todos nós estamos acostumados.

1. PRELÚDIO DA SOLIDÃO (PRELÚDIO Nº 3) (1985) - Do disco coletivo Lira do povo, com composições de Hermínio Bello de Carvalho.
2. INSENSATEZ (2008) - Do disco coletivo Um cantinho, um violão e bossa nova, com vários artistas interpretando clássicos da bossa nova.
3. A SAUDADE MATA A GENTE (2002) - Do Songbook Braguinha, volume 2.
4. SEGUE O TEU DESTINO (2003) - Do disco A música em pessoa, com vários artistas interpretando poemas musicados de Fernando Pessoa.
5. MARINA (1987) - Do disco coletivo Há sempre um nome de mulher, lançado pelo Banco do Brasil, com vários artistas interpretando canções que tenham no título um nome de mulher.
6. OLHOS NOS OLHOS (1999) - Do Songbook Chico Buarque, volume 1.
7. SÓ EM TEUS BRAÇOS (2005) - Do disco Falando de amor, com os membros músicos das famílias Jobim e Caymmi interpretando canções de Tom Jobim.
8. MENTIRAS (1973) - Participação de Nana Caymmi no disco Quem é quem?, de João Donato.
9. POR CAUSA DESTA CABOCLA (1994) - Do Songbook Ary Barroso, volume 3.
10. CANTIGA DO VENTO (2007) - Participação de Nana Caymmi no disco Amor blue, da compositora Sueli Costa.
11. POR UM SEGUNDO (1979) - Participação de Nana no disco Gonzaguinha da vida, do próprio compositor.
12. ATÉ QUEM SABE (1999) - Do Songbook João Donato, volume 2.
13. FLOR DA BAHIA (1985) - Da trilha sonora da séria Tenda dos milagres.
14. ROSA MORENA (1987) - Do disco coletivo Há sempre um nome de mulher.
15. PRA DIZER ADEUS (1995) - Do Songbook Edu Lobo, volume 2.
16. CARINHOSO (1997) - Do disco coletivo Ago! Pixinguinha - 100 anos, com vários artistas interpretando obras do compositor.
17. VELHO PIANO (1988) - Participação de Nana no disco Dori Caymmi, do irmão homônimo da intérprete.
18. ZABELÊ (1992) - Do Songbook Gilberto Gil, volume 3.
19. ESQUECENDO VOCÊ (2005) - Do disco Falando de amor.
20. RAMA DE NUVENS (2005) - Do disco coletivo Cantoria, com vários artistas interpretando canções de Hermínio Bello de Carvalho.
21. EU NÃO EXISTO SEM VOCÊ (1993) - Do Songbook Gilberto Gil, volume 2.
22. AS PRAIAS DESERTAS (1997) - Do Songbook Tom Jobim, volume 2.
23. QUANTAS LÁGRIMAS (2007) - Do disco coletivo Ninho de cobras, com diversos artistas interpretando sambas famosos.
24. JOÃO VALENTÃO (2004) - Participação de Nana no DVD Brasileirinho, de Maria Bethânia, gravado ao vivo.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/124646641/64a0041c/Nana_Especial_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Fafá Especial

Hoje a série Especial visita uma das vozes mais competentes e alegres do Brasil: Fafá de Belém. Não há que consiga resistir ao carisma dessa cantora de timbre robusto e interpretação emotiva. Quem já viu Fafá no palco - acompanhada de grande orquestra ou de apenas um piano - sabe da capacidade que essa cantora tem. Ela toma conta de tudo: dos músicos, da cena e sobretudo da plateia. Sua voz vai às notas mais alta, mais desafiadoras, sem perder o brilho. E ela ri entre uma música e outra, gargalha a cada grito ousado do público, chora de emoção nos fados tristes. Fafá é artista única e, nesta coletânea, se mostra versátil e eficiente, dando conta de samba-canção, de de frevo, de toada... Como sempre, procurei reunir aqui faixas dispersas de Fafá, algumas mais famosas, outras já um tanto raras.

1. DITO E FEITO (2009) - Gravação feita exclusivamente para a trilha sonora da novela Promessas de amor.
2. POR CAUSA DE VOCÊ (2007) - Do disco coletivo A música de Dolores Duran.
3. PAIXÃO (1983) - Da trilha sonora da novela Guerra dos sexos.
4. SEM COMPANHIA (2003) - Do disco coletivo Um ser de luz, em homenagem a Clara Nunes.
5. CAPITÃES DE AREIA (2000) - Do disco coletivo Jorge Amado - Letra e música.
6. EU TE AMO (2006) - Gravação feita exclusivamente para a trilha sonora da novela Prova de amor.
7. SERENATA DO ADEUS (1993) - Do Songbook Vinicius de Moraes, volume 2.
8. NATURALMENTE (1975) - Lado A do segundo disco compacto de Fafá.
9. ETERNAMENTE (1998) - Gravação feita exclusivamente para a trilha sonora da novela Torre de Babel.
10. PANO DE FUNDO (1981) - Gravação feita exclusivamente para a trilha sonora da novela Baila comigo.
11. DOCE PRISÃO (1999) - Gravação feita exclusivamente para a trilha sonora da novela Força de um desejo.
12. FIM DE SEMANA EM PAQUETÁ (2002) - Do Songbook Braguinha, volume 2.
13. FAZENDO FUMAÇA (2007) - Do disco coletivo Asas do frevo, com canções de J. Michiles.
14. GRANDE AMOR (2008) - Gravação feita especialmente para a trilha sonora da novela Os mutantes - Caminhos do coração.
15. SEREIA (1983) - Do disco coletivo Pluct plact zum.
16. EMORIÔ (1983) - Lado B do segundo disco compato de Fafá.
17. PEGUEI UM ITA NO NORTE (1993) - Do Songbook Dorival Caymmi, volume 4.
18. VOLTA (1984) - Faixa incluída na trilha sonora da novela Meu destino é pecar.
19. PRECISO APRENDER A SÓ SER (1992) Do Songbook Gilberto Gil, volume 1.
20. AVE MARIA (1997) - Do EP Ave Maria, gravado por ocasião da vinda do Papa João Paulo II ao Brasil.
21. DESABAFO - faixa bônus (2009) - Áudio extraído do especial de televisão Elas cantam Roberto.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/123408241/fe99e2b6/Faf_Especial_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Elba Especial - volume 2

E, agora, dando continuidade às raridades e às participações especiais de Elba, segue o volume 2 do disco Especial. Procurei equilibrar o repertório dos dois discos, pondo músicas equivalentes em cada um deles. Assim, recomendo de verdade que baixem os dois volumes porque eles se complementam.

1. O DENGO (1994) - Do disco coletivo Dorival Caymmi, em homenagem ao compositor baiano.
2. AMPLIDÃO (2006) - Da trilha sonora da novela Páginas da vida.
3. JUNTEI-ME À VOZ VERDADEIRA (1998) - Participação no disco A guitarra e outras mulheres, de António Chainho
4. TODO DIA ERA DIA DE ÍNDIO (1999) - Do disco coletivo Tons da natureza, lançado em prol de causas ambientais.
5. NOITES DE JUNHO (2002) - Do Songbook Braguinha, volume 1.

6. RODA E AVISA (2007) - Participação no disco Asas do frevo, com composições de J. Michiles.
7. FORRÓ EM CAPINA (2006) - Do disco coletivo Forró pras crianças.
8. BAHIA, CIDADE ABERTA (1995) - Participação no disco homônimo de Saul Barbosa.
9. RAPSÓDIA (2005) - Participação no disco Amorágio, de Salgado Maranhão.
10. VOCÊ VAI ME SEGUIR (1999) - Do Songbook Braguinha, volume 1.
11. O QUE A NOITE FAZ (1992) - Da trilha sonora da novela Pedra sobre pedra.
12. ESTRADA DO SERTÃO (2005) - Do disco coletivo Cantoria, com composições de Hermínio Bello de Carvalho.
13. VIVA A MÃE DE DEUS E NOSSA (2007) - Do disco coletivo Bendito o que vem em nome do Senhor, lançado por ocasião da visita do Papa Bento XVI ao Brasil.
14. DIA DA VITÓRIA (1999) - Do Songbook Marcos Valle, volume 1.
15. O CIRCO MÍSTICO (1999) - Gravação ao vivo extraoficial.
16. FLOR DE INGAZEIRA (2002) - Do Songbook João Bosco, volume 2.
17. COSTAS DAS LARANJEIRAS (2001) - Participação no disco Flamencando, de Zezo Ribeiro.
18. NOVA ILUSÃO (2003) - Do disco coletivo Café Brasil 2, com acompanhamento do grupo Época de Ouro.
19. AVE MARIA (2008) - Do disco coletivo Estrelas do Natal.
20. PARAÍBA (2003) - Do disco coletivo Humberto Teixeira - O doutor do baião.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/123120405/76ac7525/Elba_Especial_2_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Elba Especial - volume 1

Talvez possa se medir a generosidade, a simpatia e o prestígio de um artista junto ao meio musical pelo número de participações especiais desse artista em projetos coletivos ou discos de colegas. E, se adotarmos esse critério, Elba Ramalho é cantora que pode ser considerada extremamente generosa, bastante simpática e dona de muito prestígio. Porque abundam as participações de Elba em discos dos mais variados tipos. Instrumentistas pedem sua participação na hora de gravarem seus discos; produtores de songbooks sempre fazem questão de ter a voz de Elba como trunfo; discos de caráter religioso também quase sempre contam com a participação da cantora; trilhas sonoras de noveltas também costumam trazer gravações feitas pela artista... e mais exemplos não faltariam. Melhor é baixar a coletânea, transferir os arquivos para seu mp3 player ou gravar as faixas num CD mesmo e ouvir com calma todas essas maravilhas!

1. ESTRELA DO MAR (1997) - Do disco coletivo Tributo a Dalva de Oliveira.
2. MULHER (2005) - Da trilha sonora da novela Prova de amor.
3. O INFANTE (1997) - Do disco coletivo Mensagem, com poemas de Fernando Pessoa musicados.
4. CANTO DA NATUREZA (2005) - Do disco coletivo Amigos do bem, a favor de causas ambientais e sociais.
5. CABOCLA (1994) - Do Songbook Ary Barroso, volume 2.
6. FREVO RASGADO (2007) - Do disco coletivo 100 anos de frevo - É de perder o sapato.
7. MANIFESTA (1996) - Do disco coletivo Filhos da alegria, em tributo a Osmar Macedo.
8. CIDADÃO (1992) - Versão gravada somente por Elba, diferente da que foi incluída no disco Encanto, de 1992, com participação de Margareth Menezes.
9. O CANTO DA EMA (1999) - Do disco coletivo Jackson do Pandeiro - Revisto e sampleado.
10. SEM AÇÚCAR (1999) - Do Songbook Chico Buarque, volume 4.
11. NOTURNA (1997) - Da trilha sonora da novela Explode coração.
12. A VIOLEIRA (1983) - Da trilha sonora do filme Para viver um grande amor.
13. QUEM É MUITO QUERIDO A MIM (1998) - Do disco Canções do Divino Mestre, encartado em livro homônimo, exaltando a obra do líder espiritual budista Bhagavad Gita.
14. TERREMOTO (1999) - Do Songbook João Donato, volume 2.
15. ASSUM PRETO (2003) - Do disco coletivo Humberto Teixeira - O doutor do baião.
16. LAMBADA DE SERPENTE (1996) - Do Songbook Djavan, volume 1.
17. TAMBOR DOS ATEUS (2005) - Participação de Elba no disco Jacarandá, do violonista Pedro Jóia.
18. ME JUEGO TODO (1995) - Versão em espanhol para a canção "Eu quero é botar meu povo na rua", incluída no disco Paisagem.
19. AVE MARIA (2001) - Faixa do disco Coração de mãe, produzido pela própria Elba.
20. DOCE DE COCO (2009) - Gravação ao vivo feita no Teatro Tom Jobim, no Rio de Janeiro.

domingo, 2 de agosto de 2009

Discos comprados 05

Novos lançamentos, novas vozes, novos compositores! É impressionante como a nossa MPB consegue se renovar, se multiplicar ou mesmo se reinventar. A coletânea de hoje, quinto volume da série Discos comprados, traz duas cantoras relativamente jovens, que também se propõem a compor suas canções, uma cantora já tarimbada, de imensa criatividade autoral, e um instrumentista que também soube se revelar autor.

PRA TUDO FICAR BEM - Zé Paulo Becker - Quem gosta de música instrumental brasileira ou quem costuma ler com atenção os encartes dos discos de MPB que compra certamente já ouviu falar em Zé Paulo Becker. O brilhante violonista já acompanhou diversos cantores da nossa música, emprestando aos discos desses artistas seu virtuosismo, sua criatividade e seu bom gosto na hora de criar solos ou arranjos. Só que Zé Paulo é também um ótimo compositor e isso fica claro neste seu disco mais recente. É claro que chamam a atenção as participações especiais de Ney Matogrosso, Zé Renato e Moyseis Marques. Mas Zé Paulo se sai muito bem como cantor ao entoar a linda "A visita oficial do samba". Ney, como sempre, está arrasador ao interpretar "Incinero", faixa de alto teor de latinidade. Zé Renato - também costumeiro brilhante intérprete - defende com elegância a praieira "Homem ao mar". E Moyseis Marques - ganhando cada vez mais destaque no mundo do samba e da MPB - também dá conta do recado ao interpretar "Roda baiana". Mas quem brilha de fato no disco são as seis cordas do genial violão de Zé Paulo Becker. É disco sofisticado, para ouvidos exigentes e refinados, mas com momentos bastante palatáveis.

FERIADO PESSOAL - Bruna Caram - Este já é o segundo disco de Bruna, mas parece que só agora o público e as lojas de CD estão reparando nela. O fato é que, como cantora, ela se sai muito bem, mas não consegue o mesmo nível de qualidade na hora de selecionar repertório. Não que as canções inéditas do seu disco sejam ruins. Não mesmo! Só que as faixas já gravadas por outros artistas soam superiores às suas próprias. E isso é mérido da intérprete, claro! "Cuide-se bem", de Guilherme Arantes, por exemplo, é delicadeza pura na voz de Bruna. E "Gatas extraordinárias", composta por Caetano Veloso e dominada por Cássia Eller, ganha novas cores na interpretação da menina. Daí fica difícil mesmo para os novos compositores mostrarem seu valor. Mas eles conseguem e, em algumas faixas, chegam mesmo a surpreender. Destaque para "Em paz", faixa que, além de ter melodia criativa e letra sutil, conta com um arranjo especialmente inspirado.

MINHA CARA - Mart'nália - Não é um lançamento de verdade, mas merece todo o destaque. É que se trata do primeiro disco de Mart'nália - que à época ainda precisava do epíteto "filha de Martinho da Vila" -, já fortemente marcado pela peculiar personalidade musical da artista. Misturando composições próprias com sambas tradicionais, Mart'nália fez um disco para mostrar a que estava vindo. E, como o tempo revelou, ela vinha para ficar. Se "Não me balança mais" não chega a ser totalmente criativa na melodia e na letra, o suingue que a cantora exibe nessa faixa é impressionante. "Contradição" já revela uma compositora mais refinada, que busca caminhos melódicos distintos dos trilhados pela maioria dos compositores sambistas iniciantes, por exemplo. E "Entretanto" já tinha pinta de canção eterna, dessas que ficam na memória de todos os que a escutam. Vale ainda mencionar os sambas tradicionais revividos por Mart'nália, alguns de seu pai ("Grande amor" e "Parei na sua") e outros de mais alguns grandes sambistas, como Candeia ("A flor e o samba"). Minha cara é um disco especial, que atesta a coerência e o talento da artista.

HEIN? - Ana Cañas - Depois de um disco de estreia prestigiado, há no mercado musical brasileiro o costume de se considerar o segundo disco de um artista a sua verdadeira prova de fogo. Se o seu segundo trabalho mantiver o nível do primeiro, ou se conseguir superá-lo, pode-se dizer que o artista tem grandes chances de se manter ativo e fazendo sucesso. Pois este é o segundo disco de Ana Cañas e ele é, de fato, melhor que o seu primeiro trabalho. Mas isso não foi difícil de se conseguir, já que seu primeiro disco, Amor e caos, era bem fraco e cansativo. Mas o assunto aqui é seu segundo disco, o roqueiro Hein?. E os destaques ficam por conta das parcerias que Ana estabeleceu com grandes nomes do pop-rock nacional, como Arnaldo Antunes e Liminha (produtor do disco). "Na multidão", por exemplo, abre disco com guitarras, já dando o tom do trabalho inteiro. Enquanto "Esconderijo" é faixa que soa agradável pela sonoridade mais suave. Não sou fã de Ana Cañas, mas é muito bom ver uma artista que tenta encontrar seu caminho, corrigindo os erros do passado e procurando dentro de sua própria verdade a trilha para o sucesso e o reconhecimento.

1. BEM-VINDO - Zé Paulo Becker
2. QUEM SABE ISSO QUE DIZER AMOR - Bruna Caram
3. NÃO ME BALANÇA MAIS - Mart'nália
4. NA MULTIDÃO - Ana Cañas
5. INCINERO - Zé Paulo Becker e Ney Matogrosso
6. GATAS EXTRAORDINÁRIAS - Bruna Caram
7. CONTRADIÇÃO - Mart'nália
8. COÇANDO - Ana Cañas
9. NA ESTRADA - Zé Paulo Becker
10. NASCER DE NOVO - Bruna Caram
11. CONTO DE AREIA - Mart'nália
12. ESCONDERIJO - Ana Cañas
13. HOMEM AO MAR - Zé Paulo Becker e Zé Renato
14. EM PAZ - Bruna Caram
15. A FLOR E O SAMBA / PAREI NA SUA - Mart'nália
16. CHUCK BERRY FIELDS FOREVER - Ana Cañas
17. RODA BAIANA - Zé Paulo Becker e Moyseis Marques
18. CUIDE-SE BEM - Bruna Caram
19. ENTRETANTO - Mart'nália
20. AQUÁRIO - Ana Cañas

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/122394366/afbd9965/Discos_comprados_05_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Zizi Especial

Zizi Possi é a voz da perfeição. Sua voz tem um timbre que nem parece voz de gente, parece cristal, parece instrumento musical, parece qualquer coisa de divino. Excetuando-se algumas faixas dos seus discos dos anos 80, tudo o que ela gravou é de extrema qualidade, sempre com uma marca própria de elegância, sofisticação e bom gosto. Quem nunca ouviu seus discos Sobre todas as coisas, de 1991, e Valsa brasileira, de 1993, precisa parar e escutá-los com calma. São verdadeiras aulas do que é boa música. Os repertórios dos discos de Zizi são variados, dando voz a nomes nitidamente elitizados - como Chico Buarque e Edu Lobo -, lapidando pérolas de autores menos associados à MPB - caso de Cartola e Nelson Cavaquinho -, sem deixar de surpreender o público com novas interpretações para músicas latinas ou nordestinas.

A coletânea de hoje procura reunir os fonogramas dispersos de Zizi, muitos deles gravados para trilhas de filmes, peças ou novelas. Tem também as incursões da cantora pelos indefectíveis songbooks e mais uma ou outra joia rara. Devo dar crédito aqui ao jornalista e pesquisador musical Rodrigo Faour - amigo especial -, que vive se dedicando à nossa música brasileira, produzindo discos maravilhosos, montando coletâneas sensacionais, criando discos coletivos deslumbrantes e promovendo relançamentos encantadores. Algumas faixas da coletânea de hoje foram tiradas do disco Pérolas raras, de 2006, que trazia várias gravações esquecidas de Zizi e que eram até então inéditas em CD. Aprendam: qualquer coisa que leve o nome do Rodrigo é coisa boa!

1. ROSA DOS VENTOS - Faixa gravada especialmente para a trilha sonora da novela Os mutantes - Caminhos do coração, de 2008.
2. SEMPRE NÃO É TODO DIA - Canção de Oswaldo Montenegro e Mongol gravada em 1987 para o disco com a trilha da peça Aldeia dos ventos.
3. COM AÇÚCAR, COM AFETO - Do Songbook Chico Buarque, volume 8, lançado em 1999.
4. EU ANDO OK - Gravação feita especialmente para a trilha da novela Pé na jaca, de 2006.
5. COISA MAIS DOIDA - Faixa de 1982, extraída da trilha sonora do filme Os Vagabundos Trapalhões.
6. COPO VAZIO - Do Songbook Gilberto Gil, volume 3, lançado em 1992.
7. I GOT IT BAT AND THAT AIN'T GOOD - Participação de Zizi Possi no disco Ellingtonia, dos Heartbreakers, de 1989, com canções de Duke Ellington.
8. NÃO TEM SOLUÇÃO - Gravação, também de 1989, feita para o disco Grandes Autores - Dorival Caymmi, incluída em 1993 na trilha sonora da novela Olho no olho.
9. QUANDO O AMOR ACONTECE - Do Songbook João Bosco, volume 1, lançado em 2003.
10. O CIRCO MÍSTICO - Participação de Zizi Possi no disco com a trilha donora do balé O grande Circo Místico, de 1983, de autoria de Chico Buarque e Edu Lobo.
11. SOL E CHUVA - Faixa composta para a trilha do balé Dança da meia-lua, gravada em 1988.
12. MEIA NOITE - Do Songbook Edu Lobo, volume 1, lançado em 1995.
13. LUZES E SOMBRAS - Faixa gravada por Zizi para a trilha sonora do filme Oriundi, de 2000.
14. FLORES E JARTINS - Gravação de 1982, realizada para o especial de televisão Viagem encantada.
15. BEATRIZ - Do Songbook Chico Buarque, volume 2, lançado em 1999.
16. VIDA DE BAILARINA - Faixa de 1988, gravada exclusivamente para a trilha sonora da novela Vida nova.
17. A FORÇA - Gravação feita em 1979 para a trilha sonora da novela O todo poderoso.
18. LÁBIA - Participação de Zizi Possi na trilha sonora do musical Cambaio (2001), de Chico Buarque e Edu Lobo.
19. TEREZINHA - Faixa extraída do disco com a trilha sonora da peça Ópera do malandro, de 1979.
20. SILVANA - Gravação de 1984, feita especialmente para a trilha sonora da novela Vereda tropical.
21. THE LONG AND WINDING ROAD - Participação de Zizi no disco coletivo O submarino verde e amarelo, gravado ao vivo em 1999.


Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/121998340/ae4dd891/Zizi_Especial_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Caetano Especial - volume 2

Depois de uma breve e justificável interrupção na série Especial, eis o segundo volume dedicado a Caetano Veloso. Procurei deixar os dois discos com níveis de qualidade equivalentes. Espero que gostem!

1. ISTO AQUI O QUE É - Faixa gravada em 1988 para a trilha sonora da novela Vale tudo.
2. PADRÃO - Participação de Caetano no disco Mensagem, com poemas musicados de Fernando Pessoa, interpretados por vários artistas.
3. PECADO ORIGINAL - Gravação de 1978, feita para a trilha sonora o filme A dama do lotação.
4. CANTO TRISTE - Faixa extraída do Songbook Vinicius de Moraes, volume 3, de 1993.
5. FLOR DA IDADE - Participação de Caetano no terceiro volume do Songbook Chico Buarque, de 1999.
6. PIPOCA MODERNA - Gravação feita em 1981 que acabou ficando fora do disco Outras palavras. É versão diferente da lançada em 1975, no disco Jóia.
7. SUPER-HOMEM, A CANÇÃO - Faixa extraída do Songbook Gilberto Gil, volume 3, de 1992.
8. FAIXA DE CETIM - Faixa gravada por Caetano para o Songbook Ary Barroso, volume 3, de 1994.
9. POEMA DOS OLHOS DA AMADA - Canção apresentada por Caetano Veloso no filme Vinicius de Moraes, de 2005.
10. DIAMANTE VERDADEIRO - Registro de 1978 que talvez tenha servido de base para Maria Bethânia gravar a canção em seu disco Álibi.
11. CAIS - Participação de Caetano no disco homônimo de Ronaldo Bastos, gravado em 1989.
12. CANDEIAS - Faixa extraída do Songbook Edu Lobo, volume 2, de 1995.
13. ROSA - Gravação retirada do disco coletivo Ago! Pixinguinha - 100 anos, de 1997, em homenagem ao compositor.
14. OLINDA, CIDADE ETERNA - Faixa extraída do disco Mestre Capiba, de 2002, produzido por Raphael Rabello, com a participação de vários intérpretes.
15. JOÃO VALENTÃO - Adesão de Caetano Veloso ao disco Dorival Caymmi, de 1994, tribulo coletivo à obra do compositor baiano.
16. CANTO DO MUNDO - Faixa gravada para a trilha sonora do filme Ó paí, ó, de 2007.
17. A RÃ - Gravação rara, de 1978.
18. NOTHING BUT FLOWERS - Participação de Caetano na trilha sonora do filme Meu tio matou um cara, de 2005.
19. MILAGRES DO POVO - Gravação feita em 1985 para a trilha sonora da minissérie Tenda dos milagres.
20. MEU BARRACÃO - Faixa extraída do Songbook Noel Rosa, de 1991.
21. MERICA, MERICA - Gravação retirada da trilha sonora do filme O quatrilho, de 1995.
22. PIVETE - Participação de Caetano no disco Álbum musical, de 1997, com composições de Francis Hime, interpretadas por vários artistas.
23. ACALANTO - Faixa gravada em 1990 especialmente para o disco com as músicas do programa de televisão Rá Tim Bum.
24. DREAMLAND - Participação de Caetano Veloso no disco coletivo A tribute to Joni Mitchell, de 2007.
25. BAIÃO DE DOIS - Adesão de Caetano ao disco Humberto Teixeira - O doutor do baião, de 2003, com vários artistas interpretando as obras do compositor.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/121586004/6577f92d/Caetano_Especial_2_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

Discos comprados 04

Comprei mais discos, minha gente! E só coisa boa!!! Por isso fiz este post meio deslocado, entre uma coletânea e outra do Caetano. Mas a ideia é baixar rápido mesmo e, se gostarem das músicas, comprar os CDs também!

MARIA GADÚ - Maria Gadú - Não dá para não comentar o material gráfico do disco. Realmente a gravadora Som Livre, para comemorar seus 40 anos, está caprichando nas capas e nos encartes dos seus discos. O material todo vem em um invólucro especial, de textura sofisticada. Depois, junto do CD, um libreto muito caprichado, com fotos, as letras das músicas, fichas técnicas etc. Tudo de extremo bom gosto! Dá gosto comprar um CD feito assim com tanto esmero. Quanto à música do disco, também só há elogios! Maria Gadú é uma excelente cantora - com um timbre roco, quente, com alguns toques agudos - e uma compositora de mão cheia. Para mim, a melhor faixa do disco é Altar particular (gravada com um arranjo que evoca os choros mais sofisticados), ainda que a gravação faça lembrar inevitavelmente Marisa Monte - que recebe menção afetiva de Gadú nos agradecimentos. Mas Dona Cila - composta em homenagem à avó da artista - também merece destaque, pela delicadeza da letra e da melodia. Como intérprete - ou seja, cantando músicas alheias - Maria Gadú também se sai bem, mostrando criatividade. A versão da artista para Baba, hit da Kelly Key, é divertida e elegante. CD maravilhoso, que vale cada real! Cantora promissora que já chegou arrasando!

JOÃO CALLADO - João Callado - Para dar conta das faixas com letra (menos da metade do CD, afinal trata-se do disco de um instrumentista), o cavaquinhista João Callado chamou um lindo time de intérpretes. É nessa onda que se apresentam a já badalada Teresa Cristina, o promissor Alfredo Del-Penho, a cantora-atriz Soraya Ravenle, o talentoso Moyseis Marques, e a majestosa Áurea Martins. O nível das composições não é constantemente elevado, havendo ao longo do disco alguns momentos não muito inspirados. Todavia, os arranjos extremamente bem construídos e os músicos tarimbados garantem uma sonoridade impecável. Vale a pena comprar o CD e ouvir as interpretações dos citados convidados e se deleitar com as faixas instrumentais, igualmente sedutoras e sofisticadas. O disco saiu pela Biscoito Fino, que reafirma sua capacidade de produzir e por no mercado trabalhos de MPB realmente valiosos.

NÃO VOU PRO CÉU, MAS JÁ NÃO VIVO NO CHÃO - João Bosco - Francisco Bosco, o produtor do disco, com a autoridade que lhe dá o fato de ser filho do compositor, conseguiu lapidar o canto de João, eliminando as acrobacias vocais típicas do artista. Isso quer dizer que o disco não tem a cara de João Bosco? Pelo contrário: parece que, mais contido e refinado, o artista só teve a ganhar. E o reencontro de João com seu mais importante parceiro, Aldir Blanc, é outro ponto que atesta a identidade bem construída do disco. Três novas obras da dupla estão no CD! Os arranjos discretos e o jeito manso de cantar de João criam um clima de leveza e suavidade, que combina muito bem com faixas inspiradíssimas, como a explicativa Perfeição, a afiada Navalha, e a sincera Mentiras de verdade. Destaque também para a interpretação que João deu ao samba Ingenuidade, gravado também por Caetano em seu último trabalho. João Bosco não é artista pop, popular ou populista. Mas sua obra continua tão sofisticada quanto palatável. Ouçam.

ISSO AQUI TÁ BOM DEMAIS - Trio Virgulino - Os festejos juninos já passaram há tempos, mas nunca é tarde demais para se cair no forró de boa qualidade. E quem dá o t0m dessa vez é o famoso trio de sanfona, triângulo e zabumba, o Trio Virgulino, que chama alguns convidados para abrilhantar o novo CD - e servir de chamariz para o público, claro. Zélia Duncan é a inesperada primeira convidada, na já surrada Eu só quero um xodó, e seu canto parece estar cada vez melhor! Leo Maia - sobrinho por afinidade de Tim Maia - participa justamente da faixa que junta dois sucessos de Tim, dando um suingue mais contemporâneo à gravação. Zeca Baleiro e Dominguinhos são outros dois dos convidados, participando (cada um ao seu estilo) respectivamente da empolgante Qui nem jiló e da tradicional Pedras que cantam. O Trio soa apelativo ao gravar Pelados em Santos, sucesso do finado grupo Mamonas Assassinas, mas se mostra certeiro ao dar sua versão para Hoje é dia de folia, composição de Nando Cordel que fez muito sucesso na voz de... Xuxa.

1. BELA FLOR - Maria Gadú
2. ENGANADO CORAÇÃO - Teresa Cistina
3. PERFEIÇÃO - João Bosco
4. EU SÓ QUERO UM XODÓ - Trio Virgulino e Zélia Duncan
5. ALTAR PARTICULAR - Maria Gadú
6. VAZIO - Alfredo Del-Penho
7. NAVALHA - João Bosco
8. QUI NEM JILÓ - Trio Virgulino e Zeca Baleiro
9. DONA CILA - Maria Gadú
10. RISQUEI TEU NOME NA AREIA - Soraya Ravenle
11. MENTIRAS DE VERDADE - João Bosco
12. CORONEL ANTÔNIO BENTO / A FESTA DO SANTO REIS - Trio Virgulino e Leo Maia
13. LINDA ROSA - Maria Gadú
14. ILUSÃO - Moyseis Marques
15. PLURAL SINGULAR - João Bosco
16. PEDRAS QUE CANTAM - Trio Virgulino e Dominguinhos
17. BABA - Maria Gadú
18. VÍCIO E PAIXÃO - Áurea Martins
19. INGENUIDADE - João Bosco
20. HOJE É DIA DE FOLIA - Trio Virgulino

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/121480109/f43363de/Discos_comprados_04_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Caetano Especial - volume 1

Caetano Veloso talvez seja o cantor brasileiro que mais tenha participado de discos coletivos ou como convidado de discos de outros artistas. Ele canta em uma imensa e assustadora quantidade de fonogramas fora da sua discografia, participando tanto de discos bem conhecidos - como trilhas de novelas ou tributos ao vivo - quanto de albuns mais remotos - como os de compositores regionais. Em muitas dessas participações, Caetano mesmo se acompanha ao violão, emulando o estilo de seu mestre, João Gilberto, cantando baixinho e revelando nuanças das melodias. Em discos de instrumentistas, surge a voz de timbre peculiar e afinação precisa, deixando os virtuoses mostrarem seu talento. Em songbooks, quando às vezes sobram para Caetano as canções mais batidas, vem à tona o intérprete criativo e sensível, que sabe dar nova cara a essas obras. A quantidade de participações de Caetano em outros discos é tanta que fui obrigado a fazer dois volumes da sua edição na série Especial. Aguardem, que amanhã tem mais!

1. ENQUANTO SEU LOBO NÃO VEM - Participação de Caetano Veloso no disco Duos, do guitarrista Lanny Gordin, lançado em 2007.
2. UPA, NEGUINHO - Faixa retirada do Songbook Edu Lobo, volume 1, de 1995.
3. ENCANTADO - Versão feita por Caetano, gravada em 1979.
4. AMANTE AMADO - Composição de Jorge Ben, gravada por Caetano Veloso para a trilha sonora do filme Na boca do mundo, de 1978.
5. PRECISO APRENDER A SER SÓ - Canção de Marcos Valle, gravada em 1987 para a trilha da novela Brega & Chique.
6. PENSANDO EM TI - Participação de Caetano no disco Sinfonia de pardais, de 1997, em homenagem ao compositor Herivelto Martins.
7. CAMISA AMARELA - Faixa retirada do Songbook Ary Barroso, volume 1, de 1994.
8. O QUE SERÁ (À FLOR DA PELE) - Faixa retirada do Songbook Chico Buarque, volume 2, de 1999.
9. PÁSSARO PROIBIDO - Participação de Caetano no disco lançado por Maria Bethânia em 1976, cantando a faixa que deu nome ao disco.
10. QUANDO CHEGARES - Faixa retirada do Songbook Carlos Lyra, de 1994.
11. OURO DE TOLO - Gravação de 1993, retirada do disco Marcianita.
12. A ROTA DO INDIVÍDUO - Faixa retirada do Songbook Djavan, volume 3, de 1996.
13. ESCÂNDALO - Gravação de 1980 que talvez tenha servido de base para Angela RoRo criar a sua histórica gravação da canção.
14. O CALHAMBEQUE - Participação de Caetano veloso no terceiro volume dos discos 30 anos de Jovem Guarda, lançados em 1995.
15. MIRAGEM DE CARNAVAL - Faixa retirada da trilha sonora composta por Caetano para o filme Tieta do agreste, de 1996.
16. MAMÃE NATUREZA - Gravação de 1975 que só recentemente foi descoberta e lançada em disco.
17. MOÇA - Gravação feita em estúdio em 2008 e adicionada à edição Novela 70 da série Um barzinho, um violão.
18. ACONTECE - Participação de Caetano Veloso no disco Bate outra vez, lançado em 1988 em homenagem a Cartola.
19. CIDADE MARAVILHOSA - Gravação de 1988, feita para integrar a trilha sonora da novela Vale tudo.
20. VOCÊ NÃO ME ENSINOU A TE ESQUECER - Faixa retirada da trilha sonora do filme Lisbela e o prisioneiro, de 2003.
21. O FUNDO - Faixa retirada do Songbook João Donato, volume 2, de 1999.
22. PRA TE LEMBRAR - Faixa extraída da trilha sonora do filme Meu tio matou um cara, de 2004.
23. PRA VALER - Gravação de 1984, lançada por Caetano no seu compacto Carnaval liberou geral.
24. PRA TODO EFEITO - Participação de Caetano Veloso no disco Diplomacia, de 1988, em reverência à obra do compositor baiano Batatinha.
25. TATUAGEM - Canção de Chico Buarque, em gravação de 1978.

Link para baixar a coletânea: http://www.4shared.com/file/121384701/6c0230b1/Caetano_Especial_1_-_mpbrunoblogblogspotcom.html.